JM Online

Jornal da Manhã 47 anos

Uberaba, 18 de setembro de 2019 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

POLÍTICA

Arrecadação da PMU cai 7,67% em agosto ante o mesmo mês de 2018

Receita da Prefeitura somou R$37,4 milhões em agosto deste ano, contra R$40,5 milhões no mesmo período de 2018

12/09/2019 - 00:00:00. - Por Thassiana Macedo Última atualização: 12/09/2019 - 07:38:55.

Jairo Chagas


Wellington Fontes, secretário municipal da Fazenda, diz que a situação de crise econômica do país ainda reflete na arrecadação da Prefeitura

A arrecadação da Prefeitura em agosto deste ano teve uma queda de 7,67% no comparativo com o balanço do mesmo mês de 2018. O desempenho negativo foi puxado principalmente pelo ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), que, sozinho, teve uma redução de R$3,2 milhões. De acordo com o balanço da Secretaria Municipal da Fazenda, a arrecadação da Prefeitura somou R$37,4 milhões em agosto deste ano, contra R$40,5 milhões no mesmo período de 2018. 

Conforme o titular da pasta, Wellington Fontes, trata-se de uma queda muito significativa, principalmente pela diferença de repasse do ICMS. “Na realidade, o que aconteceu é que tivemos um repasse um pouco maior de ICMS e nesse mês [de agosto] veio um pouco menos. É aquele repasse de fim de mês em que um veio um pouco a mais e no outro, um pouco menos. Então, compensou. Aqui estão faltando cerca de R$3 milhões que vieram a mais em julho e menos em agosto”, explica.

Outra queda representativa teria sido registrada entre as arrecadações diversas, que compreendem taxas, tarifas e multas, por exemplo, e teve redução de pouco mais de R$1 milhão. “Ainda estamos sob efeito da crise, da falta de emprego e da falta de dinheiro no mercado. A economia ainda não reagiu, vai chegando fim de ano e a disposição de arrecadar imposto é menor, em função de outros gastos. Acredito que estamos dentro do normal, houve o recebimento a mais em um mês e menos no outro, mas nada que possa representar um aumento de arrecadação e uma melhora na situação financeira do país. Não temos nada previsto, pelo contrário, a economia está estagnada e não tem nenhum sinal de reação positiva”, explica. 

Fontes reforça que o Executivo já vem em uma linha de contingenciamento de gastos. Ele lembra que recentemente o município publicou um decreto, já de encerramento de exercício, prevendo ações para se evitar novos gastos. No caminho inverso, houve pequenos aumentos de arrecadação de FPM (Fundo de Participação dos Municípios), ISSQN (Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza) e IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano), que somaram juntos um acréscimo de R$1,3 milhão.

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia