JM Online

Jornal da Manhã 47 anos

Uberaba, 20 de agosto de 2019 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

POLÍTICA

PMU nega pedido para fechar escola estadual no bairro Abadia

Rumores circularam por vários canais na internet esta semana e ontem o município emitiu nota na qual admite negociações com Estado

18/07/2019 - 00:00:00. - Por Gisele Barcelos Última atualização: 18/07/2019 - 07:20:38.

Google Street View


Informações que circularam dão conta de que a Escola Estadual Geraldino Rodrigues da Cunha seria repassada ao município, demitidos os professores e alunos teriam de procurar outra instituição

Rumores sobre fechamento da Escola Estadual Geraldino Rodrigues da Cunha, no grande Abadia, geraram rebuliço na internet esta semana. Mensagens que circulavam nas redes sociais davam conta de que a Prefeitura teria proposto ao Estado o fechamento da unidade e a transferência do imóvel ao município. 

Ainda segundo as mensagens, o prédio da escola seria dado em troca pelo abatimento da dívida do Estado com a Prefeitura. O texto também acrescenta que o fechamento da unidade resultaria na demissão de 50 professores e ainda em 600 alunos que precisariam procurar outra escola para concluir a educação básica.

Em nota, a Prefeitura negou que tenha feito qualquer solicitação para o fechamento de escolas estaduais em Uberaba para a utilização de prédios. “Não há a intenção de deixar nenhum aluno do Estado sem local para estudar [...] A Prefeitura de Uberaba refuta qualquer afirmação de que suas ações afetariam a prestação de serviços educacionais para alunos do Estado”, continua o texto.

A administração municipal confirma que existem negociações em andamento com o Estado para o repasse de prédios públicos como forma de abater dívidas do governo de Minas com a Prefeitura. No entanto, o município reforça que a transferência de imóveis não representará prejuízos à população.

Além disso, a nota oficial posiciona que se houver a transferência do imóvel, os estudantes continuarão sendo atendidos na unidade. “Indiferente de o prédio ser do Estado ou do município, o espaço educacional de todos os alunos será preservado, sem prejuízos”, assegura. A Prefeitura inclusive manifesta que escolas municipais e estaduais hoje já coabitam no mesmo endereço, sendo a estrutura das unidades no Residencial 2000, Ponte Alta e Calcário divididas entre os dois entes públicos. 

O comunicado oficial ainda informa que a Feti (Fundação de Ensino Técnico Intensivo) também pleiteia prédios ociosos para ampliar os serviços. “Um deles, por exemplo, seria o do Ceopee, onde haveria a coabitação e atividades focadas na ampliação dos serviços das duas instituições: ou seja, parceria e melhoria de serviços para a comunidade”, encerra.

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia