JM Online

Jornal da Manhã 47 anos

Uberaba, 16 de dezembro de 2019 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

POLÍCIA

Homem é condenado a 119 anos de prisão por estuprar cinco sobrinhas

Segundo os relatos das vítimas, os abusos ocorriam já há vários anos, no lote onde mora a família

21/11/2019 - 00:00:00. Última atualização: 21/11/2019 - 08:09:05.

Um homem foi condenado a 119 anos de prisão, em regime fechado, por abuso e estupro de vulnerável, cometido inúmeras vezes contra as próprias sobrinhas. A decisão foi dada pela juíza Marixa Fabiane Lopes Rodrigues, da Vara Especializada em Crimes Contra Crianças e Adolescentes (Vecca), de Belo Horizonte.

Segundo os relatos das vítimas, os abusos ocorriam já há vários anos, no lote onde mora a família. O acusado se aproveitava de momentos em que ficava sozinho com as crianças e adolescentes. Ele levava as meninas para a casa dele e também para dentro de um carro. O tio as acariciava, inclusive enfiando a mão por baixo da roupa delas e algumas vezes despindo-as parcialmente, além de forçar contato físico.

De acordo com a denúncia do Ministério Público, uma tia relatou ter observado uma mudança de comportamento nas meninas, em especial uma das sobrinhas. Ao questioná-la se havia algum problema, ouviu dela que o tio havia a estuprado.

Preocupada, a tia então contou à filha o que aconteceu, buscando encontrar uma forma de ajudar a sobrinha. Nesse momento, ouviu da própria filha que o tio também havia abusado dela de maneira semelhante.

Abalada, a tia convocou a mãe das meninas para uma reunião na casa de uma delas. Na ocasião, as meninas foram encorajadas a contar os abusos que sofriam.

O pai de uma das vítimas acionou a Polícia Militar, que compareceu à residência e registrou um boletim de ocorrência. Momentos antes, o agressor ficou sabendo das acusações e fugiu do local, sendo preso no dia seguinte.

Segundo a defesa, todas as acusações foram feitas por vingança pessoal, em especial por parte de uma das mães, cunhada do acusado, que era separada do marido e teria tentado separá-lo também da irmã porque descobriu que ele tinha um filho fruto de uma traição, mas que teria sido perdoado pela esposa do autor.

Ainda de acordo com a defesa, a mãe que iniciou as denúncias é apaixonada pelo acusado. Como o sentimento não era correspondido, ela fez essas acusações. Alguns membros da família, como a esposa dele, o filho e uma outra sobrinha, negaram que os abusos tenham acontecido.

A juíza Marixa Fabiane considerou as provas apresentadas, a riqueza de detalhes e a coerência dos depoimentos das vítimas para afastar a tese de que os abusos foram inventados por vingança.

A magistrada considerou ainda que o acusado deve permanecer preso durante a fase de recurso, por não demonstrar estar apto para conviver em sociedade, “pois desrespeitou a Justiça, a Lei, a criança, sua própria família e história de vida”. 

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia