JM Online

Jornal da Manhã 47 anos

Uberaba, 25 de agosto de 2019 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

POLÍCIA

Saque de cargas de armas, drogas e cigarros contrabandeados é alvo de operação no Triângulo Mineiro

Foram cumpridos 16 mandados de busca e apreensão em Araguari, Uberaba, Uberlândia e Patrocínio

Última atualização: 25/05/2017 - 11:41:59.

 Ministério Público de Minas Gerais, por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) de Uberlândia, deflagrou hoje (25) a operação 100 Anos de Perdão. Foram cumpridos 16 mandados de busca e apreensão em Araguari, Uberaba, Uberlândia e Patrocínio.

A operação investiga organização criminosa cuja principal atividade era realizar o saque de cargas de entorpecentes, armas e cigarros contrabandeados, oriundas do estado do Paraná. De acordo com as apurações, a organização criminosa se dividia em dois núcleos: a célula paranaense, comandada por policial civil daquele estado, e a célula mineira, chefiada por policial civil de Minas Gerais, lotado na cidade de Patrocínio.

O modus operandi da organização criminosa, segundo informações do Gaeco de Uberlândia, funcionava da seguinte forma: o núcleo paranaense identificava as cargas que interessavam ao grupo e, então, instalava nos caminhões que transportavam rastreadores via satélite para monitorar todo o seu deslocamento.

O núcleo mineiro, integrado por nove policiais civis, aguardava a entrada dos caminhões no estado e fazia a abordagem do veículo, a prisão do motorista e a apreensão da carga. Contudo, ao invés de seguir os trâmites legais, os integrantes da organização criminosa saqueavam as cargas, que depois eram revendidas aos seus proprietários ou desviadas para venda posterior. Nas duas hipóteses, a finalidade da organização era a obtenção de vultoso lucro ilícito.

Os motoristas dos caminhões que transportavam as cargas eram mantidos em cárcere privado pelos integrantes da organização criminosa até que os produtos estivessem em local seguro. Com o êxito na desova das cargas, as vítimas eram liberadas, sem sequer serem qualificadas.

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia