JM Online

Jornal da Manhã 47 anos

Uberaba, 12 de dezembro de 2019 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

ESPORTE

Tite admite pressão inevitável no cargo e necessidade de vitória

Após derrota para Argentina, Brasil já acumula cinco partidas sem vitórias

17/11/2019 - 00:00:00. - Por Agência Estado Última atualização: 17/11/2019 - 17:59:33.

A tranquilidade que Tite resgatou como técnico da Seleção Brasileira ao conquistar o título da Copa América já se tornou uma realidade distante. Após acumular o quinto jogo de jejum, amargado com uma derrota por 1x0 para a Argentina, na sexta-feira (15), em Riad, na Arábia Saudita, o treinador admitiu que está sob pressão no cargo que ocupa e reconheceu a necessidade urgente de conquista de uma vitória. 

Ao ser questionado em entrevista coletiva sobre a sua situação atual, o comandante afirmou que a própria natureza do seu posto o faz ser cobrado e a ficar pressionado a obter bons resultados. "Primeiro é saber que essa pressão é inevitável, pela grandeza do cargo e da Seleção, é inevitável para o técnico e para os atletas da mesma forma. Saber desempenhar em cima disso é o primeiro passo", disse Tite, ao projetar sua continuidade no cargo.

A última chance de Tite conquistar uma vitória neste final de temporada do time nacional será na próxima terça-feira (19), no amistoso contra a Coreia do Sul, em Abu Dabi, nos Emirados Árabes, palco do último compromisso do Brasil antes do início das Eliminatórias da Copa do Mundo de 2022, que começam em março do próximo ano. E o comandante sabe que qualquer outro resultado que não for um triunfo na próxima terça será péssimo para ele e para a própria Seleção.

"Há necessidade do resultado, sim. Há momentos de pressão e esse é um. A forma que vamos buscar [a vitória] é com discernimento, de maneira criteriosa, mas a necessidade do resultado se dá, sim Mesmo num momento de preparação", reconheceu. 

Contra a Argentina, a Seleção voltou a exibir um futebol abaixo do esperado, como também ocorreu nos empates com Colômbia (2x2), Senegal e Nigéria (ambos por 1x1) e na derrota por 1x0 para o Peru.

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia