JM Online

Jornal da Manhã 47 anos

Uberaba, 15 de outubro de 2019 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

ESPORTE

Entregue à concessionária, Pacaembu ficará fechado por ao menos dois anos

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), assinou a concessão do estádio do Pacaembu por 35 anos

17/09/2019 - 00:00:00. - Por Folhapress

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), assinou a concessão do estádio do Pacaembu por 35 anos. O contrato, firmado entre a Prefeitura de São Paulo e o consórcio Patrimônio SP (formado pelas empresas Progen e Savona), foi assinado no salão nobre do Pacaembu ontem pela manhã. 

O consórcio prevê entregar o estádio renovado em julho de 2022, ou seja, daqui a dois anos e meio. As obras devem começar no primeiro semestre de 2020, com duração prevista de 28 meses.

O cronograma começa a contar efetivamente após a assinatura da ordem de serviço, que deve acontecer até o final de setembro, segundo previsão da administração municipal. Com a ordem de serviço em mãos, a concessionária tem 30 dias para entregar todos seus planos e programas para o complexo, que inclui ginásio, piscina e quadras de tênis.

Depois de 31 dias, a concessionária começa a acompanhar a administração do estádio realizada pela prefeitura. No sexagésimo primeiro dia, a concessionária passa a tocar a administração do complexo, com acompanhamento da prefeitura. Após 91 dias, a gestão do Pacaembu passará a ser feita exclusivamente pela concessionária.

O consórcio venceu a concorrência pelo Pacaembu em fevereiro, quando ofereceu outorga fixa de R$115 milhões - a outorga mínima era de R$37 milhões, ou seja, houve ágio de 208%. 

A gestão Covas calcula que, somando outorga fixa, outorga variável (1% sobre a receita bruta), economia de gastos ao longo dos 35 anos, investimentos a serem feitos no estádio e ganhos de ISS, a prefeitura terá ganhos de R$657 milhões com a concessão.

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia