JM Online

Jornal da Manhã 47 anos

Uberaba, 04 de abril de 2020 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

ESPORTE

Gravação mostra como propina era dividida entre dirigentes

Na gravação, os dirigentes tratam de pagamento de propinas e de como será feita a divisão de valores entre Marin, Ricardo Teixeira e Marco Polo Del Nero, atual presidente da CBF

Última atualização: 07/12/2017 - 08:15:36.

Foto/Divulgação


O ex-presidente da CBF, José Maria Marin, é acusado de receber propina para autorizar direitos de transmissões

O empresário José Hawilla, dono da Traffic, apresentou gravações na Suprema Corte do Brooklyn, nos Estados Unidos, que ele fez a mando do FBI com o ex-presidente da CBF, José Maria Marin e Kleber Leite, dono da Klefer e parceiro da Traffic em vários negócios.

Na gravação, os dirigentes tratam de pagamento de propinas e de como será feita a divisão de valores entre Marin, Ricardo Teixeira e Marco Polo Del Nero, atual presidente da CBF. O material foi gravado em 30 de abril de 2014 durante um evento de promoção da Copa América Centenário em Miami.

Nas conversas, Hawilla pergunta a Marin se ele considera que Ricardo Teixeira deveria ganhar o dobro que ele e Del Nero - a divisão era R$ 1 milhão para Teixeira e a mesma quantia para ser dividida entre Marin e Del Nero. 

“Eu acho que pelo que já fizemos e estamos fazendo era para chegar para o nosso lado”, disse Marin, que se declara inocente no processo, na gravação.

A propina se referia ao contrato de cessão dos direitos de transmissão da Copa do Brasil, de 2013 a 2022. 

O julgamento também mostrou gravações com conversas entre Hawilla e Kleber Leite, que com suas empresas dividiam os pagamentos de propinas. 

“Hawilla, me desculpa, presta atenção. Com base na nossa amizade, eu passei a vida toda contigo. E eu confio em você completamente. Nunca te questionei nada. Mas você está sendo um tremendo c... Como você desconfia de mim?”, reclamou. 

Através de nota, a Klefer diz obedecer estritamente às leis brasileiras na condução dos seus negócios ao longo de trinta e cinco anos de existência e que não reconhece e repudia as transcrições das alegadas gravações apresentadas.

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia