JM Online

Jornal da Manhã 48 anos

Uberaba, 23 de setembro de 2020 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

Pra inglês ver

31/07/2020 - 06:51:01. - Por Márcia Moreno Campos


Desconfie da capacidade de qualquer gestor público, que, alegando necessidade de redução de despesas, promova cortes de gastos lineares, sem se importar com as peculiaridades de setores, as demandas reais e os méritos particulares. A tesoura passa sem análise profunda da situação, gerando injustiças e erros insanáveis. Foi assim que, para cumprir uma promessa de campanha do candidato que se elegeu presidente da República, o ministro da Economia fez publicar o Decreto 9.725, de 2019, extinguindo 21 mil cargos comissionados no governo federal. O corte atingiu servidores concursados e, em sua maioria, essenciais à manutenção da qualidade do serviço público brasileiro. Foi extinta, por exemplo, a Delegacia da Receita Federal de Uberaba, transformando-a em posto de serviço subordinado à Delegacia Regional de Uberlândia, sem qualquer critério técnico aceitável. Não foram levados em consideração fatores como a movimentação de cargas no Porto Seco de Uberaba, cujo montante supera em muito ao da cidade vizinha, nem tampouco o prédio que abrigava a extinta Delegacia, superior em estrutura ao de lá. O INSS também foi sucateado em todo o país, deixando para os beneficiários que dependiam de auxílios concedidos por ele uma fila imensa e lenta, e muito improviso.

Por outro lado, cresceram os gastos públicos de interesse do governo, como cartões corporativos, propaganda e marketing, aumento do número de ministérios para contemplar novos aliados, e até um gabinete do ódio custeado com dinheiro público. O Ministério da Defesa teve um incremento de gastos no atual governo superior à evolução das despesas das pastas da Educação, Saúde, Agricultura e Relações Exteriores. A meta era privatizar e reduzir o tamanho do Estado, não sua eficiência no atendimento ao contribuinte brasileiro. O que foi privatizado até hoje?

A expressão “pra inglês ver”, indicativa de que a norma não é pra valer, tem como origem, segundo historiadores, lei editada em 1831 contra tráfico negreiro. Pressionado pelos ingleses, o Brasil declarava livres os escravos ilegalmente importados, mas autoridades locais encontravam meios de preservar o cativeiro.

O tempo passou e no Brasil nada mudou. Continuam governando pra inglês ver, com promessas não cumpridas, arranjos políticos inconfessáveis, gestão rasa e risível, e muita propaganda e fake news. Afinal, desde que pisam no Poder a única coisa que interessa é a reeleição.

 


Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia