JM Online

Jornal da Manhã 48 anos

Uberaba, 01 de outubro de 2020 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

Sabor para a vida

O sal e o açúcar dão sabor para os alimentos. Em excesso, ambos são vistos como perigosos

08/02/2020 - 00:00:00. - Por Dom Paulo Mendes Peixoto


O sal e o açúcar dão sabor para os alimentos. Em excesso, ambos são vistos como perigosos para a vida. Até dizem: “pouco sal e pouco açúcar, mais saúde”. Mas o sabor da vida ultrapassa o prazer sentido nos alimentos. Muitos acontecimentos, tanto os considerados naturais como, também, aqueles provocados pela ação humana trazem consequências, em muitos casos, desastrosas. 

Imaginamos o sofrimento de tantos mineiros e capixabas flagelados pelo excesso de chuva neste início de ano. Não é tão fácil perder entes queridos, casa, bens materiais adquiridos com trabalho e sacrifício. A vida tem muitos sabores prazerosos, mas também tem a experiência do sofrimento. Podemos dizer que a vida tem as marcas da vulnerabilidade, ela não está em nossas mãos, não nos pertence.

Existem duas atitudes humanas, de muito valor, que não podemos abrir mão delas: “fazer justiça e fazer o bem”. São práticas iluminadoras da vida e que dão o grau de satisfação e sabor para a pessoa humana. Aí está a fonte dos ensinamentos do Evangelho de Jesus, onde é possível construir o Reino de Deus. Quem age assim consegue dar sabor ao mundo e à sua própria história de vida.

Por outro lado, existem atitudes consideradas abomináveis, que não condizem com princípios cristãos. Uma delas é a conivência passiva com situações de injustiça e de maldade. No meio dessas práticas normalmente acontece algum tipo de exploração e atitudes de prepotência. São práticas que não favorecem o sentido da vida e causam situações de sofrimento, tirando o sabor do bem viver.

A palavra “vida” tem um conceito muito amplo, que se estende do nascer ao morrer. É dentro desse espaço de tempo que cada ser humano experimenta uma realidade de conforto ou de sofrimento. Ela é um mistério, porque cada indivíduo é uma realidade única e insubstituível, com capacidade de se autorrealizar, mas quando tem à sua disposição os meios necessários para tal.

O mundo todo, marcado por injustiças, necessita de caminhos alternativos para dar o verdadeiro sabor para a vida. Um deles é o estilo de vida semelhante ao de Jesus Cristo, apoiado no que ensinam as bem-aventuranças (Mt 5,1-12). Jesus foi uma luz que brilhou na vida dos apóstolos e de seus seguidores em todos os tempos e espaço. É Ele quem dá a sustentação para uma vida alegre e feliz. 

(*) Arcebispo de Uberaba

 

Leia mais


DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia