JM Online

Jornal da Manhã 47 anos

Uberaba, 18 de janeiro de 2020 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

Guerra é guerra

A Primeira Guerra Mundial, centrada na Europa, foi deflagrada depois do assassinato do arquiduque Francisco Ferdinando

14/01/2020 - 00:00:00. - Por Mário Salvador

A Primeira Guerra Mundial, centrada na Europa, foi deflagrada depois do assassinato do arquiduque Francisco Ferdinando, herdeiro do trono austríaco, em junho de 1914. A guerra se estendeu de julho de 1914 a novembro de 1918. O conflito envolveu grandes potências do mundo todo, terminou com a derrota alemã e fez dez milhões de mortos. 

A Segunda Guerra Mundial teve início quando as forças de Hitler invadiram a Polônia, em setembro de 1939. Reino Unido, França e a Comunidade das Nações declararam guerra a Hitler. A guerra fez sessenta milhões de mortos. A Alemanha Nazista se rendeu em maio de 1945. E o final da guerra se deu com a rendição nipônica, depois de os americanos lançarem bombas atômicas em Hiroshima e Nagasaki, em 6 e 9 de agosto de 1945.

Em 3 de janeiro deste ano, o  major-general iraniano Qassem Soleimani foi morto pelos Estados Unidos, que o consideravam um terrorista e uma ameaça às tropas americanas. Qassem, considerado herói nacional no país persa, era o segundo homem mais importante do Irã e o mentor que resolvia conflitos de guerra. Em seu funeral, em que recebeu homenagens de seu povo, houve tumultos e muitas pessoas morreram pisoteadas.

O Irã prometeu vingar a morte do seu herói. De imediato, lançou foguetes contra bases de soldados americanos. E pelo mesmo motivo, derrubou um Boeing com 176 pessoas a bordo, assim que levantou voo. Não houve sobreviventes. O Irã se apossou da caixa preta do avião, que possibilitaria descobrir as causas do acidente. Após ficar comprovado que o avião foi derrubado por míssil iraniano, o Irã afirmou que tudo aconteceu por um erro humano imperdoável e pediu desculpas ao seu povo.

Quanto às consequências advindas do assassinato do herói iraniano pelos Estados Unidos, o risco é, assim como aconteceu na Primeira Grande Guerra, a morte de um herói se tornar o estopim de uma nova guerra, que pode ficar entre essas duas nações ou ganhar vulto. Fato é que aumentou a tensão entre Estados Unidos e Irã, duas grandes potências. E autoridades iranianas já prometeram vingança severa. 

Espera-se que as grandes potências e a ONU consigam esfriar os ânimos dessas duas nações em litígio. E, se ocorrer uma Terceira Guerra Mundial, com o armamento de que hoje dispõem todas as potências, pode ser que não sobreviva ninguém para contar os mortos.

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia