JM Online

Jornal da Manhã 48 anos

Uberaba, 11 de agosto de 2020 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

Convergência da Palavra

Não é qualquer palavra, mas aquela que é o próprio Cristo, a Palavra que se fez carne e veio habitar entre nós

11/01/2020 - 00:00:00. - Por Dom Paulo Mendes Peixoto

Não é qualquer palavra, mas aquela que é o próprio Cristo, a Palavra que se fez carne e veio habitar entre nós (cf. Jo 1,1s). Essa realidade é festivamente celebrada na Epifania do Senhor, quando Jesus se manifesta ao mundo, tornando-se ponto de unidade entre todas as pessoas, tanto cristãs como pagãs. Em seu nascimento, foi procurado, visitado e conhecido pelos reis pagãos do Oriente. 

Estamos convivendo com um mundo repleto de trevas, mesmo sabendo que existe uma “luz no fundo do túnel”. As trevas facilitam a divisão, o isolamento das pessoas e atitudes arbitrárias violentas e impedem a claridade da luz. Jesus tem sido um grande desconhecido no mundo da maldade. Ele é a unidade do amor, com uma palavra de convergência para construir o Reino de Deus.

A mensagem da palavra de Jesus não consegue atingir os centros de decisões no mundo do poder, principalmente quando o bem dos mais pobres não é levado em conta. Decisões para favorecer a minoria, em detrimento do empobrecimento da maioria, não podem ter a bênção de Deus. Isso foge da moralidade da Palavra de Jesus Cristo, que foi dada para todos, mas supõe honestidade no agir.

A cidade de Jerusalém, para o povo antigo, representava ponto convergente de unidade do mundo antigo. Essa realidade foi proclamada pelos profetas, mesmo sabendo de sua destruição, mas com o tempo, conseguir recuperar essa identidade. O Brasil poderia ser uma nova Jerusalém, caso fosse administrado dentro dos princípios da Palavra de Deus. Temos riquezas suficientes para isso.

Continua depois da publicidade

Hoje temos muitas barreiras que impedem o exercício da unidade e da fraternidade. Um exemplo disto é a crise vivida por grande número de famílias, que não conseguem ter boa convivência familiar. Não é o caso de citar tipos de divergências, mas sabemos que a cultura secular, em meio a muito progresso tecnológico, acaba atropelando os mecanismos humanos de convergência.

Em Jesus a luz de Deus passa a ter um alcance universal, mas foi bem mais acolhida pelas pessoas das classes simples e desprotegidas, social e economicamente. A luz de Deus está muito obscura e desconsiderada no mundo que engloba o poder, exigindo das autoridades uma verdadeira mudança de rota e de estrutura para conseguir viver uma experiência autêntica com Deus. 

(*) Arcebispo de Uberaba

 

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia