JM Online

Jornal da Manhã 47 anos

Uberaba, 18 de setembro de 2019 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

É pra levar a sério?

Algumas pessoas gostam de atribuir à educação o poder de resolver todos os problemas

25/08/2019 - 00:00:00. - Por Renato Muniz Barretto de Carvalho

Algumas pessoas gostam de atribuir à educação o poder de resolver todos os problemas. Se não foram resolvidos é porque faltou educação. Louvável! Será? Em qualquer discursinho de fim de semana, em solenidades chinfrins de inauguração de prolongamento de rua ou festinhas de aniversário, sempre há quem exalte a educação como salvação do mundo. Em eventos políticos, casamentos, batizados ou velórios, é costume ouvir observações genéricas: “educação é arma poderosa”, “educação é tudo”, “só a educação para acabar com a corrupção” e coisas semelhantes. A sensação que fica é a de que a educação conserta tudo. Se alguém está com dor de barriga: educação; se alguém foi mordido por um cachorro louco: educação; pobreza: educação; lixo nas ruas: educação; salários baixos: educação… E assim por diante. Numa rodinha de amigos, alguns acham chique dar o veredito: “O povo não tem educação!”. Todo mundo fala de educação, enche a boca e cospe regras. Já viram algum candidato a cargo político não falar que sua prioridade vai ser a educação? Não existe! 

Então, resolvi sair por aí pra ver se descobria onde estava a educação. Não foi muito animador. Nas estradas e nas ruas, encontrei placas assim: “não danifique a sinalização”, “não jogue lixo no chão”, etc. Parece “pedagogia da negação”: “não pode…”, “não faça…”. Isso é educação? Vi grande quantidade de câmeras, de radares, de placas com ameaças e advertências. Vi muitas placas furadas por tiros. Será a “pedagogia da bala”? São placas ou são alvos? Vi sujeira, acidentes, queimadas, desrespeito às leis, vi multas, repressão, mas não encontrei ações concretas de educação. Será que estão confundindo educação com repressão?

Nas cidades, vi muito lixo nas ruas, vi lixões – e eu acreditava que não existissem mais –, vi muita poluição, me deparei com disputas idiotas para saber quem produzia o som mais alto, vi praças deterioradas, prédios públicos caindo aos pedaços, crianças que deveriam estar nas escolas estavam nas ruas. Percebi que mais cortam árvores do que plantam, e não cuidam das que existem. Encontrei mais farmácias do que livrarias. Será que o conceito de educação mudou e eu é que não compreendi?

Parei numa cidade e vi crianças trabalhando, vi mulheres assassinadas, motoristas bêbados, teatros fechados, poucas bibliotecas. Ouvi pessoas emitindo juízos apressados sobre feminismo, homofobia, sexualidade, ciência, arte e cultura com base em preconceitos, em simplificações inacreditáveis. Constatei salários baixos, desvalorização da profissão docente e professores tristes. Muitos falavam de educação como quem comenta a escalação do time no jogo de domingo. 

Cheguei a algumas conclusões, mas ainda tenho de procurar bastante; não consegui todas as respostas. Para várias pessoas educação é algo dos outros, é atividade para crianças, não é para adultos, mas gostam de emitir opiniões desencontradas. Tem muito palpite, misturam religião com educação, confundem com instrução, acham que é mercadoria… Afinal, é pra levar a sério?

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia