JM Online

Jornal da Manhã 47 anos

Uberaba, 22 de setembro de 2019 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

Wagner do Nascimento - A Cultura Prestigiada

Fuscão Preto – Assim que Wagner do Nascimento, então vice-prefeito, se candidatou para prefeito

17/08/2019 - 00:00:00. - Por Gilberto Rezende

Fuscão Preto – Assim que Wagner do Nascimento, então vice-prefeito, se candidatou para prefeito nas eleições de 1982, recebeu esse apelido, que pegou como fogo em rastilho de pólvora. 

Até 1982, Wagner pertencia aos quadros do PDS. Desentendido com Silvério, que lhe deu este apelido, e, não encontrando espaço no Partido para sua candidatura a prefeito, embora fosse lhe oferecido a vice pelos outros candidatos das sublegendas do PDS, Wagner, na firme convicção de que havia chegado sua hora, se filiou ao PMDB. Afinal, já havia sido vice de Arnaldo Rosa Prata e Silvério.

Disputando com Renê Barsan e Arnaldo Rosa Prata na sublegenda do PMDB e com Hugo Rodrigues da Cunha e João Junqueira do PDS, foi o vencedor com cerca de trinta mil votos (37,7%), mas, somando os votos de seus companheiros de sublegenda (33,73%), o PMDB conseguiu mais de 70% dos votos. Wagner contou com o decisivo apoio de seu maior cabo eleitoral, sua esposa Isabel.

Wagner, em seu governo, se destacou em quatro setores: Desenvolvimento, Saúde, Educação e Cultura. Na área de Desenvolvimento, criou a Secretaria de Indústria e Comércio, entregando-a para Anderson Adauto, criando as bases para a atração das indústrias nacionais para serem implantadas em Uberaba, aproveitando, assim, o trabalho criado pela Aciu em seu Projeto Indústria. Não se pode esquecer o empenho de Wagner para a implantação da empresa DuPont.

A importância dessa secretaria pode se verificar através dos fatos: o secretário Anderson se tornou prefeito em 2005. E quando Hugo estava no comando, na segunda gestão, seu secretário de Indústria e Comércio, Luiz Neto, veio a ser eleito prefeito em 1992.

Na área de Saúde, sob a responsabilidade de Benito Meneghello, foi criado o serviço de atendimento psicológico. Nas áreas de Educação e Cultura, a responsabilidade era de seu secretário da Educação, José Thomas da Silva Sobrinho, escolha que não agradou ao PMDB por ele pertencer aos quadros do PDS.

Houve preocupação da área de Educação em oferecer oportunidade de ensino para todo cidadão uberabense. Naquela gestão é que foi criada a Escola Mirim de Trânsito, o Ciem, o Cesu (Centro de Estudos do Ensino Superior), com mais de mil alunos, culminando com a implantação do Estatuto do Magistério Municipal, que efetivou todos os professores e criou o cargo de psicólogo escolar.

É ainda de sua gestão a criação do Projeto Fumesu, cuja intenção era suprir Uberaba de faculdades não atendidas pela iniciativa privada, com a prefeitura arcando com os investimentos e custeios e os alunos com o custo do professorado.

Na área cultural, o primeiro passo dado por Silvério Cartafina na criação da Fundação Cultural em 1982 ensejou ao governo Wagner a partir de 1983 a criar: Circo do Povo, Museu Sacro (Igreja Santa Rita), Museu Paleontológico em Peirópolis, Museu Histórico, Biblioteca Infantil e Biblioteca Ambulante Rural. Nesse período, também foram criados os projetos Folklândia e o Prodec.

Em 1996, Wagner voltou a disputar a prefeitura com Marcos Montes, no entanto, não foi feliz, pois repetiu o mesmo resultado de 1982, cerca de trinta mil votos, contra oitenta e sete mil de MM.

Wagner nasceu em 27 de julho de 1936. Formou-se em engenharia em 1964 pela Fiube, hoje Uniube, da qual foi professor. Foi engenheiro da CDI (Companhia dos Distritos Industriais) e colaborou intensamente com as implantações dos DI I, II e III.

Sua trajetória política se iniciou em 1966, quando foi eleito vereador. De 1970 a 1972 e de 1977 a 1982, vice-prefeito. De 1983 a 1988, prefeito. De 1991 a 1999, por duas vezes, se elegeu para deputado federal. Foi o primeiro político negro a assumir a prefeitura de uma cidade brasileira.

Teve alguns percalços com a Justiça em razões de alguns processos pelos quais foi condenado. Segundo seus apoiadores, tudo decorreu por questões de perseguição política.

Wagner faleceu em 6 de setembro de 2007, aos 71 anos, deixando viúva Isabel do Nascimento, e os quatro filhos, entre eles Wagner Jr. (que foi candidato a prefeito) e Werner. Sua família instituiu em maio de 2013 a Comenda Wagner do Nascimento, para perpetuar seu nome e sua obra.

Fonte Jornal da Manhã 

(*) Membro da Academia de Letras do Triângulo Mineiro; ex-presidente e conselheiro da Aciu e do Cigra; ex-presidente do PDS em 1982

 

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia