JM Online

Jornal da Manhã 47 anos

Uberaba, 16 de setembro de 2019 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

CIDADE

Gás de cozinha pode ter novo aumento nos próximos dias

Nova política de preços anunciada pela Petrobras prevê correções de preços a partir do dia 5 de cada mês; em Uberaba, revendedoras devem aplicar o reajuste quando reabastecerem os estoques

- Por Letícia Morais Última atualização: 07/06/2017 - 11:38:15.

 Foi aprovada nova política de preços para as distribuidoras do Gás Liquefeito de Petróleo, comercializado em botijões de até 13 kg e de uso residencial (GLP-P13) nesta quarta-feira (7). A aprovação foi dada pela Diretoria Executiva da Petrobras.

Segundo a estatal, o preço final às distribuidoras será composto pela média mensal das cotações do butano e do propano no mercado europeu, convertida em reais pela média diária das cotações de venda do dólar, logo que divulgada pelo Banco Central, acrescida de uma margem de 5%.

Com a nova fórmula, haverá um aumento médio nas refinarias de 6,7% no produto já em junho. Apesar disso, o preço final ao consumidor pode ou não refletir o reajuste repassado às refinarias. Em Uberaba, o presidente do Sindicato de Revendedores de Gás, Abel Ricardo da Silva, afirma que o aumento pode ocorrer quando os revendedores reabastecerem seus estoques junto às distribuidoras. “É possível que haja esse repasse [do aumento] daqui uns dois ou três dias, que é o tempo para o nosso estoque acabar e comprarmos uma nova remessa”, pontua Abel. Ele destaca que, atualmente, o valor do gás de cozinha é comercializado em torno de R$65 na cidade.

A partir desta nova medida, haverá correções de preços a partir do dia 5 de cada mês. A exceção é deste mês de junho, quando o ajuste de preços passará a ser praticado nas vendas às distribuidoras realizadas a partir de amanhã (8). A política anunciada nesta quarta não se aplica ao GLP destinado a uso industrial-comercial.

Na avaliação de Abel, o preço do gás praticado atualmente está defasado. Por isso, argumenta que a medida deve ser para corrigir os índices de inflação. “Contudo, isso vai afetar não só o revendedor, como a população”, reforça. Vale lembrar que o último reajuste no preço de GLP-P13 aplicado pela Petrobras ocorreu em 21 de março deste ano.

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia