JM Online

Jornal da Manhã 48 anos

Uberaba, 15 de junho de 2021 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

Entrevista: Cemitério Parque atende a todas as classes sociais, diz concessionário

#JornalDaManhã #QuemLêConfia
• WhatsApp: 34 99777-7900

20/12/2020 - 00:00:00. - Por Daniela Brito Última atualização: 20/12/2020 - 11:09:42.


Gestor do empreendimento, Amir Choaib, diz que projeto segue um conceito de cemitério-parque igual aos melhores do Brasil e do mundo

Memorial Parque Uberaba iniciou as operações em setembro de 2020. A área possui 300 mil metros quadrados, com capacidade para 50 mil jazigos. O gestor do empreendimento, Amir Choaib, assegura que o cemitério vai atender a todas as famílias, independente de classe social ou credo religioso.

No primeiro momento foram disponibilizados 700 jazigos, em face do esgotamento dos cemitérios públicos. Amir Choaib, nesta entrevista, busca colocar fim às polêmicas, principalmente em relação aos preços praticados para os sepultamentos. Ele assegura que as críticas foram em decorrência do processo eleitoral e confirma que os valores dos jazigos, cujas vendas preventivas terão início ano que vem, serão acessíveis e com condições de pagamento facilitadas.

O empreendimento está localizado na rua João Batista Ribeiro, próximo ao IFTM e às margens da estrada municipal URA-010. Possui projeto moderno, seguindo as tendências dos grandes centros urbanos do Brasil e do mundo.

E por se tratar de um cemitério-parque, as lápides serão todas iguais, conforme modelos já existentes em diversas cidades brasileiras e, em cinco anos, está prevista a implantação do serviço de crematório. Além disso, 5% dos jazigos construídos são destinados a pessoas que não têm condições financeiras de arcar com os custos do sepultamento, que são aquelas inscritas no Bolsa Família.

Jornal da Manhã - O Memorial Parque foi inaugurado no dia 28 de setembro passado, em Uberaba. Essa data estava inicialmente prevista no contrato com o Município, ou foi antecipada?
Amir Choaib – Foi antecipada. Na verdade, nós atendemos de forma emergencial uma solicitação da Prefeitura, tendo em vista o esgotamento das vagas nos cemitérios da cidade. Nós tínhamos um cronograma para fazer as edificações principais e aí inaugurar o cemitério. Na verdade, por esta situação do esgotamento das vagas nos cemitérios públicos e a pandemia, nós atendemos a Prefeitura e iniciamos de forma emergencial as operações de sepultamento para atender esta demanda urgente do Município de Uberaba. 

JM - O Memorial Parque traz um novo conceito de cemitério para Uberaba.  Quais são os diferenciais deste que é o primeiro cemitério particular da cidade?
Amir Choaib - O Memorial Parque Uberaba acompanha a tendência dos cemitérios mais modernos do país. O conceito de cemitério-parque vem se multiplicando em vários países do mundo. Nosso projeto foi elaborado pelo escritório do arquiteto Otávio de Sanctis em São Paulo, em parceria com o arquiteto Paulo Trajano, aqui em Uberaba. O projeto é moderno, possui espelhos d’água, capela ecumênica, lanchonete e floricultura. É contemplativo! Queremos que as pessoas se sintam bem ao frequentá-lo e superem o estigma de que cemitério é um lugar feio e triste, ao qual ninguém quer ir. Queremos que as pessoas visitem o local com frequência e sintam-se próximas de seus entes queridos. 

JM - Estas obras ainda estão em andamento?
Amir Choaib - Estas obras estão em nosso cronograma, mas tivemos que ajustá-lo para atender esse momento emergencial e dar início às operações. As obras das edificações principais serão iniciadas no começo de 2021.

JM - Nesses primeiros meses de funcionamento do Memorial Parque, dois problemas ganharam destaque, pois envolveram sepultamento de dois uberabenses de famílias carentes em cidades vizinhas, como Delta e Veríssimo. O que de fato aconteceu? Houve alguma objeção em atender essas famílias? Faltou comunicação entre as partes? Enfim, o que houve?
Amir Choaib - Na verdade, da nossa parte não aconteceu nada. Em nenhum dos casos o Memorial Parque foi procurado. E se tivesse sido, com certeza, nós atenderíamos a demanda. Ninguém ficará sem atendimento. Eu não acompanhei de perto o processo eleitoral aqui, mas na minha visão houve o uso político dessas situações. Infelizmente! Como isso reverberou, muita gente falou do assunto.

JM - As famílias não procuraram o cemitério?
Amir Choaib – Não! Não foram ao cemitério, não houve uma conversa, uma explicação. Se tivessem feito isso, ao menos, eles teriam retratado valores e informações corretamente. 

JM - Afinal, como funciona a política de preço praticada pelo Memorial Parque Uberaba?
Amir Choaib - A política de preços vem do poder público. A Prefeitura quando elaborou o edital de concessão do cemitério definiu os preços. Esses preços foram elaborados baseados em cálculos sobre os investimentos exigidos pelo edital. Existe uma tabela, não podemos praticar preços acima desta tabela. Esse cemitério foi pensado para todos os uberabenses. É claro que um empreendimento desse porte e com tamanha responsabilidade social precisa estar em constante adaptação. Por isso, já propusemos à Prefeitura algumas formas de facilitar a aquisição para as pessoas em todas as condições sociais, ficando bem próximo do que se pratica hoje nos cemitérios públicos. Existe por parte da Prefeitura uma sensibilidade para isso também. Nesse sentido, a gente vem conversando desde o início. É consenso que vamos atuar com condições facilitadas de pagamento, e atender a toda a população uberabense. 

JM - Por falar em famílias carentes, o contrato com o Município prevê uma reserva técnica para sepultamento de pessoas em situação de vulnerabilidade. A quem cabe fazer essa análise sobre a isenção do pagamento? E quais são os critérios adotados para que o sepultamento seja gratuito?
Amir Choaib – Pela lei, as pessoas que se enquadram neste percentual são aquelas cadastradas no Bolsa Família. Estas são aquelas previstas nesta reserva técnica. Quem faz esta análise é a Secretaria de Desenvolvimento Social da Prefeitura de Uberaba. 

JM - Mas, qual orientação que o senhor dá para quem não tem condição de arcar com o sepultamento. Quem esta pessoa deve procurar? É o cemitério, é a Prefeitura? Se faleceu um parente no fim de semana, o que a pessoa tem que fazer?
Amir Choaib – A pessoa tem que procurar a Secretaria de Desenvolvimento Social. Eles atendem através do telefone: (34) 9 9698-6785 ou no Cemitério São João Batista. E a partir de lá, com as devidas aprovações, nós recebemos a documentação necessária para providenciar o sepultamento social.

JM - E quem não está cadastrado no Bolsa Família. Essa pessoa pode procurar o Memorial Parque para pedir um desconto ou uma condição melhor para fazer um enterro de ente querido ou aquela tabela é válida para todo mundo?
Amir Choaib - A tabela que foi estabelecida no edital de licitação e tem os preços dos serviços e dos jazigos, ela é válida para todo mundo, sem distinção. A gente quer atender a todos e para isso temos várias opções de preços e parcelamentos que caberão no bolso tanto dos mais como dos menos favorecidos. Hoje, um cidadão vai num cemitério público, e gasta em média R$1,9 mil. Então, estamos ofertando em caráter emergencial, não preventivo, um jazigo temporário em que a pessoa adquire o direito de uso do jazigo pelo período de 4 anos, que terá um preço reduzido. Caso, durante este período, ele deseje adquirir o jazigo permanente, ele se utiliza dos recursos pagos até então, caso contrário, ao final desse prazo, encaminha-se ao ossuário do cemitério, que é o procedimento normal. Ou seja, as pessoas que não se enquadram no Bolsa Família, mas que são de baixa renda, vão poder se valer desta modalidade para usufruir dos serviços do cemitério-parque. 

JM - Qual é o valor desse jazigo temporário e como funciona?
Amir Choaib - O preço do jazigo temporário é de R$1,5 mil que, acrescidos dos serviços de sepultamento, chega a cerca de 1,9 mil.  Ele tem um prazo de quatro anos que é quando se realiza a exumação. Neste caso, a pessoa adquire o jazigo por quatro anos e, durante este período, haverá a disponibilidade para que a família adquira o jazigo permanente com prazos e condições de pagamento estendida. Pois se antes de quatro anos a pessoa perder outro ente, não pode usar esse jazigo, porque só terá uma gaveta, estará ocupada. Mas adquirindo o permanente, vamos abater o valor pago referente ao temporário. Aí ela pode ir usando esse jazigo, abrindo espaço para os novos sepultamentos e fica com o local permanentemente para a família. 

JM - Quem quiser comprar um jazigo permanente, como deve proceder? As vendas já estão abertas?
Amir Choaib - A princípio nós construímos 700 jazigos para atender a Prefeitura, tendo em vista o esgotamento dos cemitérios públicos e, portanto, estamos fazendo apenas o atendimento de corpo presente, ou seja, a pessoa precisa enterrar amanhã e essa era a situação que precisávamos atender. Agora, no começo do ano, nós vamos iniciar as vendas dos jazigos preventivos. Faremos uma ampla divulgação, das condições de pagamento parceladas. A pessoa poderá comprar e pagar parceladamente, a perder de vista. E se ela precisar, nesse período, utilizar o jazigo, ela já tem, pois comprou preventivamente. A venda preventiva é para evitar tratar da aquisição do jazigo em um momento difícil e de grande fragilidade das famílias.

JM - Nas redes sociais fala-se muito que o Memorial Parque vai contaminar o rio Uberaba, em razão da proximidade da área com a nascente. De fato, essa situação poderá vir a acontecer?
Amir Choaib – De maneira nenhuma. Nós seguimos os mais rigorosos critérios ambientais na aprovação do projeto. É importante salientar que quem definiu a localização para a implantação do cemitério-parque foi a Prefeitura. Para isso, ela realizou estudos e estabeleceu critérios de segurança ambiental que o projeto do cemitério-parque atende. Além disso, a técnica de construção dos jazigos no Memorial Parque Uberaba usa radier de concreto e jazigos também de concreto. Nós usamos ainda um produto, dentro do jazigo, que reage com o necrochorume, evitando que haja vazamento. Então, em hipótese alguma existe a possibilidade da contaminação do lençol freático. Um dos critérios de acompanhamento ambiental são os poços de monitoramento. Antes do início da operação, nós coletamos amostras da água no lençol freático para análises e semestralmente são feitas novas análises para se comprovar que não existe nenhum tipo de contaminação. Estes são os cuidados ambientais mais rigorosos que todos os cemitérios devem seguir, especialmente os mais modernos como o Memorial Parque Uberaba. 

JM - Quem arca com os custos destas análises?
Amir Choaib - Tudo é custeado pelo Memorial Parque Uberaba. Esta é uma obrigação nossa e consta no contrato de concessão e no edital. Nós fazemos todo esse acompanhamento, e essas condutas de controle ambiental são entregues à Secretaria de Meio Ambiente do Município. Nós temos outros tipos de controles ambientais de acordo com uma série de exigências técnicas. O rigor ambiental é muito grande e o cemitério-parque está alinhado como as melhores práticas neste sentido. 

JM - Uma das críticas que surgiram nas redes sociais nesses dois primeiros meses de funcionamento do Memorial Parque estava relacionada à cobrança de taxa para manutenção dos jazigos. A que se deve essa cobrança e por que ela existe?
Amir Choaib – Foi dito equivocadamente na época das eleições que a taxa de manutenção era de R$700. Não é verdade. O valor realmente existe sim, ele é muito inferior ao ventilado durante o período eleitoral, mas existe para que quando as pessoas cheguem ao Memorial Parque para prestar uma homenagem aos seus entes queridos, encontrem tudo impecável, arrumado e limpo. A pessoa não precisa contratar ninguém mensalmente ou, por exemplo, na véspera de Finados. O cemitério-parque vai estar perfeitamente em ordem em relação à manutenção durante os 365 dias do ano. A taxa cobrada é para custear esta manutenção. 

JM - E qual é este custo?
Amir Choaib – Dá menos de R$20 por mês. Conforme a atual tabela da Prefeitura, é cerca de R$220 por ano. A pessoa tem opção de pagar anualmente, semestralmente, trimestralmente ou mensalmente. 

JM - Uma das perguntas que mais ouvimos de leitores e ouvintes refere-se ao crematório. Quando será instalado? Já tem uma previsão do custo, neste caso?
Amir Choaib - Nós teremos o crematório também. Ele está previsto no edital e dentro do nosso cronograma para ficar pronto em cinco anos.  Temos uma obra, que não é pequena. Quem fez o edital atribuiu um valor de investimento que, na verdade, deve ter sido feito em cima de algum estudo ou projeto que alguém idealizou, e na verdade não é o projeto atual. Nós fizemos um projeto muito mais moderno e temos que garantir primeiro todas as edificações principais como salas de velório e os jazigos, para que possamos sempre ter algo mais a oferecer. E complementando, será feito o crematório. A nossa ideia é que seja implantado o mais rápido possível, mas, dentro do cronograma, ele estava previsto para cinco anos. No nosso projeto, ainda temos dez salas de velório, lanchonete, banheiros masculino e feminino, floricultura. Há toda uma estrutura para ser feita.

JM - Ou seja, primeiro as obras mais urgentes. Mas podemos antecipar esse crematório para antes, para daqui há três anos, por exemplo?
Amir Choaib - Eu não gostaria de confirmar uma data, mas queremos atender. É um serviço que, culturalmente, ainda não é muito utilizado e não há grande demanda. No Brasil, cerca de 6% utilizam o serviço, mas entendemos que é necessário, pois está em crescimento. 

JM - Memorial Parque Uberaba já está aberto para visitação? As pessoas já podem conhecer o projeto e as condições de pagamento para aquisição de jazigos?
Amir Choaib - Agora nós vamos começar uma campanha de esclarecimento à população, como funciona, condições e os prazos de pagamento para que todos entendam a importância de se ter um jazigo preventivo no Memorial Parque Uberaba. Vamos fazer uma ampla divulgação, inclusive nas redes sociais, para que as pessoas conheçam um pouco mais do cemitério-parque. Estamos construindo um empreendimento para que Uberaba tenha orgulho de ter um cemitério-parque de padrão internacional, que não vai ficar devendo para nenhum outro no Brasil. É um cemitério que vai atender a todas as classes sociais e credos religiosos. As pessoas que quiserem conhecer o local, já são, desde já, muito bem-vindas. Está muito bonito, tem um astral bacana, uma equipe treinada e preparada. Além de uma topografia fantástica para um empreendimento desse porte. O Memorial Parque Uberaba foi pensado para acolher todas as famílias uberabenses com dignidade, qualidade e eficiência. Este é nosso objetivo e o nosso compromisso com toda a população de Uberaba.

Confira entrevista na íntegra: 

Siga o JM no Instagram: @_jmonline
e também no Facebook: @jornaldamanhaonline

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia