JM Online

Jornal da Manhã 48 anos

Uberaba, 22 de janeiro de 2021 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

Pesquisa da Fecomércio mostra expectativa de busca por presentes de até R$200 média

#JornalDaManhã #QuemLêConfia
• WhatsApp: 34 99777-7900

04/12/2020 - 09:12:56. Última atualização: 04/12/2020 - 09:18:55.

Considerada a principal data comemorativa do ano para o comércio varejista, o Natal impacta positivamente 78,8% das empresas desse setor em Minas Gerais. Essa é uma constatação da pesquisa da Fecomércio MG, que aborda as expectativas dos empresários mineiros para o período. Neste ano, quase 30% dos estabelecimentos esperam por vendas melhores que em 2019.

O presidente do Sindicato do Comércio de Uberaba, Marcelo Carneiro Árabe, destaca a importância da data para todo o setor. “O Natal possui grande apelo emocional para os consumidores. Esse fator, somado à expectativa das famílias, impacta positivamente nas compras de fim de ano. Mas, ainda assim, é preciso planejar os gastos para não descontrolar as finanças e impactar os compromissos previstos para o início do ano”, reforça.

Já o economista-chefe da Fecomércio MG, Guilherme Almeida, observa que o otimismo dos empresários é justificado pela melhora da confiança e o aquecimento das vendas. “Apesar do cenário de cautela, provocado pela pandemia de Covid-19, tradicionalmente o Natal é uma data relevante para todo o comércio. É nesse período que os empresários redobram suas apostas em diversas estratégias para atrair o consumidor e concretizar vendas.”

Não por acaso, de acordo com a pesquisa, 35,6% dos empresários do estado devem investir em propaganda/divulgação para atrair os consumidores. Já 32,5% vão apostar em promoções e liquidações; outros 11,6% prometem oferecer um atendimento diferenciado e 6,9% investirão na visibilidade da loja.

Os principais segmentos beneficiados pela data são: móveis e eletrodomésticos (89,3%); outros artigos de uso pessoal e domésticos (85,7%), tecido, vestuário e calçados (83,8%); combustíveis e lubrificantes (83,3%) e livros, jornais, revistas e papelaria (80,0%).

Mais da metade dos empresários (57,2%) acredita que os consumidores comecem a realizar as compras na véspera do Natal, a partir da segunda quinzena de dezembro. Já o gasto médio não deve ultrapassar o valor de R$ 200,00 para 80,35% dos entrevistados. “O Natal possui grande apelo emocional para os consumidores, que devem ter atenção com os gastos no período para não descontrolar as finanças e impactar os compromissos previstos para o início do ano”, destaca o economista-chefe.

O alerta do especialista é explicado pela principal forma de pagamento utilizada pelos consumidores no período: o cartão de crédito (49,4%). Os consumidores tendem a usar essa modalidade dividindo as compras em mais de uma parcela ou em apenas uma (15,5%).

Além disso, segundo a pesquisa, apenas 23,4% dos empresários já receberam todas as encomendas e 26,9% ainda não realizaram os pedidos para a data. Entre os motivos que podem impactar as vendas no período, os empresários citaram a pandemia (65,9%), o desemprego (9,8%) e o baixo poder aquisitivo (8,9%). “A pandemia de Covid-19 provocou impactos significativos em todos os setores econômicos. Por isso, é importante que os empresários planejem e, se necessário, adaptem seus serviços e estoques”, ressalta Almeida.
 


Siga o JM no Instagram: @_jmonline
e também no Facebook: @jornaldamanhaonline

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia