JM Online

Jornal da Manhã 47 anos

Uberaba, 15 de setembro de 2019 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

CIDADE

Funcionários dos Correios em Uberaba entram em greve hoje

Após assembleia realizada na noite de ontem, categoria decidiu paralisar as atividades em defesa de direitos da categoria e contra a privatização da empresa

11/09/2019 - 00:00:00. - Por Luiz Gustavo Rezende Última atualização: 11/09/2019 - 17:42:49.

Jairo Chagas


Wolnei Capoli, presidente do Sintect-URA, diz que a categoria quer a manutenção de direitos já conquistados

O Sindicato dos Trabalhadores nos Correios, Telégrafos e Similares de Uberaba e Região (Sintect-Ura) realizou assembleia ontem à noite e comunicou decisão de paralisação por tempo indeterminado, a partir de hoje, em 156 cidades do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba. O sindicato estava em estado de greve, negociou suas reivindicações por intermédio do Tribunal Superior do Trabalho (TST) e aguardou calendário estabelecido por outros sindicatos com abrangência nacional para dar o start grevista. 

Wolnei Capoli, presidente do Sintect-Ura, em contato com o Jornal da Manhã após a assembleia, ressaltou que a decisão se dá em “defesa dos direitos trabalhistas que estão sendo retirados”, declara. Ele afirmou ainda, em nota, que a classe “defende os Correios 100% estatal e que é contra o processo de privatização”.

No início do mês o JM havia antecipado que a greve seguiria datas definidas pela Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios, Telégrafos e Similares (Fentect) e Central Única dos Trabalhadores (CUT). Antes da assembleia, uma publicação editada pela Fentect foi distribuída. Nela, a federação afirma que a estatal teve postura autoritária no período de negociação que foi mediado pelo TST. A Fentect aponta ainda receita líquida de R$160 milhões no último ano obtida pelos Correios. Por fim, destaca que as medidas tomadas têm por objetivo enxugar a estrutura da estatal para “entregá-la” à iniciativa privada.

O Sintect-URA reclama de reajuste menor que a inflação nos últimos anos e perda de benefícios, como plano de saúde para familiares. A categoria ficou em estado de greve por um longo período, que se encerrou no dia 31 de agosto. Durante o período de negociação os trabalhadores viram o governo federal anunciar desejo de privatização da estatal.

 

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia