JM Online

Jornal da Manhã 47 anos

Uberaba, 20 de agosto de 2019 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

CIDADE

Secretaria municipal não deve abonar faltas dos que aderiram à paralisação

Secretaria Municipal de Educação informou que não há previsão legal para abono das faltas dos professores que aderiram ao movimento

16/05/2019 - 00:00:00. - Por Marconi Lima Última atualização: 16/05/2019 - 07:09:42.

Secretaria Municipal de Educação informou que não há previsão legal para abono das faltas dos professores que aderiram ao movimento de paralisação dessa quarta-feira, quando houve protesto contra o corte de recursos para a educação. O Sindicato dos Educadores do Município de Uberaba protestou, também, contra o corte no projeto Educação em tempo integral da rede Municipal. 

O sindicato decidiu em assembleia a participação na greve nacional e manifestou-se contrário ao corte de 30% nos recursos das instituições federais de ensino, contra a reforma da previdência social e a redução de horas no município.

De acordo com o Sindemu, a Prefeitura cortou em 20% as horas desenvolvidas com alunos e, também, no salário dos professores que atuam no projeto no período vespertino, causando enormes prejuízos. 

O presidente do Sindemu, Bruno Ferreira, disse que os educadores também temem por problemas que possam haver com os alunos, já que há escolas em que os pais não foram avisados de que o projeto está sendo encerrado às 16h30 (e não mais às 17h30) e não tem mais profissionais designados para ficar exclusivamente com esses alunos.

A Secretaria Municipal de Educação informou, ainda, que, em relação ao abono, não há previsão legal para os profissionais que aderiram ao movimento.  

Destacou ainda que o ajuste de horas do Tempo Integral não tem a ver com a paralisação, pois é uma medida que inclui apenas os professores da Educação Básica, que atuam na Educação Infantil em Tempo Integral. “Trata-se de um assunto amplamente discutido com o Sindemu e com a Comissão de Educação da Câmara Municipal de Uberaba e publicado no Porta-Voz, em fevereiro. Como o professor recebe por aula trabalhada, a adequação da carga horária seguiu proposta do Plano Curricular da categoria. A reorganização entrou em vigor a partir de 1º de maio e o lançamento na agenda de pagamentos acontecerá em junho”, conclui a nota.

Leia também: Paralisação da Educação lota Rui Barbosa

Banco da Rui Barbosa quebra sobre a perna de professora durante protesto

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia