JM Online

Jornal da Manhã 49 anos

Uberaba, 18 de janeiro de 2022 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

GERAL

Continua depois da publicidade



Como funciona o fundo de reserva em um consórcio

#JornalDaManhã #QuemLêConfia
• WhatsApp: 34 99777-7900

13/01/2022 - 17:52:45.

Antes de contratar um consórcio, é comum se deparar com termos que nem sempre são claros. Um deles é o fundo de reserva em consórcio — embora seja essencial pelo papel que apresenta para os integrantes do grupo.

Para tomar uma decisão de modo mais informado, vale a pena entender como funciona esse fundo. Assim, você não terá mais dúvidas para compreender essa condição do contrato, caso aplicável.

Quer descobrir para que serve o fundo de reserva em consórcio? Continue a leitura e saiba mais!

O que é fundo de reserva?

O fundo de reserva corresponde a um montante que é formado à parte do fundo comum do consórcio. Portanto, ele não tem o objetivo de juntar recursos para a contemplação das pessoas consorciadas e consequente aquisição de bens ou contratação de serviços.

A cobrança desse fundo é permitida pelo Banco Central, desde que esteja especificada no contrato apresentado pela administradora.

Para que serve esse fundo?

Nesse momento, é provável que você esteja se perguntando: para que serve o valor do fundo de reserva, certo? A resposta envolve a proteção das pessoas consorciadas e do próprio grupo, para o caso de imprevistos como a inadimplência.

Pense que, em certo período, um determinado número de participantes não realiza o pagamento das parcelas do consórcio. Na assembleia, não há recursos suficientes para que ocorra a contemplação de participantes. Sem o fundo de reserva, isso poderia trazer complicações para a continuidade do grupo.

Com o montante reservado, entretanto, é possível utilizar os recursos para garantir a contemplação. Ao final, ele ajuda a garantir que as pessoas consorciadas adimplentes sejam contempladas, sem maiores dificuldades. Assim, ninguém sai no prejuízo.

Para que essa proteção aconteça, o fundo de reserva pode ser utilizado em diversas situações, como:

●     inadimplência ampla ou prolongada no grupo;

●     pagamento de prêmio de seguro;

●     quitação de despesas judiciais e extrajudiciais para a cobrança de inadimplentes;

●     pagamento de despesas financeiras e administrativas;

●     complemento do fundo comum para contemplação, entre outros casos.

Como é cobrado o fundo de reserva em consórcio?

Para que seja possível formar esse montante, a cobrança ocorre mensalmente de todas as pessoas participantes do grupo. Normalmente, define-se uma taxa em relação ao valor da carta de crédito, a qual é dividida pelo período de duração do grupo.

Assim, há a incidência de um valor mensal que é destinado para a composição específica desse fundo. Para entender melhor, pense em um grupo de consórcio com as seguintes características:

●     Carta de crédito: R$ 100 mil;

●     Taxa do fundo de reserva: 3%;

●     Duração: 120 meses.

Isso significa que, mensalmente, será cobrada uma taxa de 0,025% sobre o valor da carta de crédito. Na prática, isso corresponde a R$ 25,00 mensais. Como as pessoas participantes pagam esse valor mensal, é possível formar um valor capaz de suprir certas necessidades do grupo ao longo de sua duração.

O que acontece com o fundo ao final do grupo?

Dependendo das características do grupo, pode ser que o fundo de reserva em consórcio não seja utilizado completamente. Nesse caso, os valores residuais no momento de encerramento do grupo são redistribuídos entre os participantes.

A divisão ocorre de maneira proporcional com os cotistas. Assim, é um valor que pode retornar aos participantes, após terem sido protegidos por esse montante.

Uma das grandes vantagens dessa situação é que o valor pode ser creditado em conta corrente. Então, se o seu grupo se mantiver saudável durante boa parte do tempo, você ainda terá dinheiro extra a receber ao final.

Normalmente, é preciso procurar saber sobre o valor restante após o encerramento do grupo. Do contrário, a administradora pode cobrar taxas de permanência dos recursos, zerando o montante a ser recebido. Isso também ajuda a explicar por que é importante conhecer a existência e o funcionamento desse fundo.

O fundo de reserva existe em todos os consórcios?

Como você viu, a cobrança do fundo de reserva é legal e autorizada pelo Banco Central. No entanto, isso não significa que seja obrigatória.

Na verdade, cabe a cada administradora definir a estratégia para o grupo. Porém, no geral, ocorre a cobrança por esse ser um valor importante para que todos tenham uma boa experiência com a contratação de um consórcio.

Por isso, costuma valer a pena procurar um consórcio que realize a cobrança. O impacto na parcela não é muito elevado e, ao mesmo tempo, garante a saúde e o equilíbrio financeiro do grupo.

Do contrário, você ficará sujeito a situações imprevisíveis e incontroláveis que podem afetar o funcionamento do grupo — e pode encontrar problemas para obter a contemplação.

Como você acompanhou, o fundo de reserva em consórcio pode ser essencial para o seu funcionamento. Logo, vale a pena identificar se o contrato da sua administradora prevê essa cobrança.

Prepare-se e saiba tudo sobre o consórcio antes da contratação!

Siga o JM no Instagram: @_jmonline
e também no Facebook: @jornaldamanhaonline

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia