JM Online

Jornal da Manhã 48 anos

Uberaba, 04 de agosto de 2020 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

GERAL

Servidores da Educação fazem assembleia geral para definição de indicativo de greve

De Uberaba sairá nesta noite (4) caravana com cerca de 30 pessoas

04/02/2020 - 15:57:12.

Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais convoca educadores para assembleia geral da categoria nesta quarta-feira (5), na capital, Belo Horizonte. Na pauta, possibilidade de greve. De Uberaba sairá nesta noite (4) caravana com cerca de 30 pessoas. A assembleia acontecerá às 14h, no pátio da Assembleia Legislativa de Minas Gerais

A coordenadora regional do Sind-UTE, Maria Helena Gabriel, explica que a categoria tenta ser ouvida pelo governo de Romeu Zema (Novo), mas não consegue. “Nós estamos cobrando do governo Zema tudo que ele nos deve. Piso salarial, a questão das matrículas online, que são um problema em todo o estado de Minas Gerais, os alunos que não conseguiram se matricular nas escolas, os professores que não conseguiram pegar aulas porque não tem alunos. Todas essas cobranças nós vamos levar e vamos também amanhã decidir pelo início da greve”, explica a líder sindical, afirmando que, se confirmada, a greve será deflagrada em fevereiro. “Nós percorremos as escolas, colocamos os cartazes em todas as escolas. Todo mundo está avisado”, pontua Maria Helena Gabriel.

“Se o Zema não nos atende, nós vamos fazer a nossa greve. Já que é assim”, desabafa Maria Helena Gabriel, reforçando que o governo estadual não abriu diálogo com a categoria. “Não tem solução. Podemos dizer que nós passamos janeiro inteirinho (tentando), desde dezembro, antes do Natal, que nós estamos contatando o governo, conversando com o governo para o pagamento do décimo-terceiro, para a matrícula online, para as questões de diário eletrônico, e o governo não nos dá resposta. Então a categoria já chegou no seu limite. Nós vamos, então, amanhã, tomar as nossas decisões”, afirma ela. 

Reunião entre o sindicato e a Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão (Seplag) estava marcada para o dia 23 de janeiro, mas foi cancelada. Diante disso, a categoria decidiu antecipar a assembleia estadual, que, a princípio, estava marcada para o dia 19. O sindicato pede celeridade e transparência na contratação de 2020, pois faltam poucos dias para começar o ano letivo, dia 10 de fevereiro.

Continua depois da publicidade

A categoria exige também isonomia no tratamento, determinando que a Educação seja equiparada à Segurança Pública e à Saúde, por exemplo. As demais categorias de servidores se sentiu preterida pelo governo estadual, sobretudo os da Educação. Nas redes sociais, muitos manifestaram sua indignação, afirmando que se sentem humilhados, criticando a escolha de Zema em priorizar o pagamento das forças de segurança

Com relação ao décimo-terceiro, há ainda uma parcela do funcionalismo estadual que espera a divulgação de uma data. Além disso, o governo do Estado jogou um balde de água fria no funcionalismo, que esperava a equiparação dos direitos, ou seja, que todos recebessem pelo menos parte do benefício. Em coletiva de imprensa no fim do ano passado, Otto Levy explicou que o critério utilizado pelo governo foi social, ou seja, quem tinha até R$ 2.000 para receber como 13º salário foram beneficiados. Quem ganharia mais do que isso não recebeu nem um real. 

Zema pede tolerância a servidores sobre o pagamento do 13º 

Sem a concretização do leilão de recebíveis do nióbio, o fim do parcelamento de salários está cada dia mais distante. Para os servidores que recebem mais de R$2.500 líquidos e não são lotados na Secretaria de Fazenda, o governo de Minas afirmou que ainda busca solucionar esse débito. Vale lembrar que no dia 17 de janeiro, servidores da Educação se reuniram em protesto na Cidade Administrativa para reivindicar o pagamento do abono natalino. 

Quase lanterna: Zema é o 2º pior governador do país, segundo levantamento

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia