JM Online

Jornal da Manhã 47 anos

Uberaba, 19 de fevereiro de 2020 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

GERAL

Tragédia em Brumadinho completa um ano hoje e parentes pedem justiça; ações da Vale já foram recuperadas

25/01/2020 - 00:00:00.

Rompimento da barragem matou 272 pessoas (11 continuam desaparecidas) e devastou uma área equivalente a 300 campos de futebol na cidade

Neste sábado (25) a tragédia de Brumadinho, causada pelo rompimento da barragem do Córrego do Feijão, completa um ano. Atos em homenagem às vítimas e para cobrança de Justiça ocorreram durante toda a semana. Hoje ações começam logo pela manhã, com o lançamento da pedra fundamental do Memorial no Córrego do Feijão (restrito às famílias das vítimas), caminhadas e atos de movimentos sociais.

Amanhã (26) haverá o lançamento da campanha “Jangada Água Viva”, que pede a saída definitiva da Vale e de sua controlada, a MBR, do complexo Paraopeba. Familiares e amigos das vítimas também cobraram Justiça no julgamento dos responsáveis pelo crime durante evento na Assembleia Legislativa, na tarde desta quinta-feira (23), onde foi instalado um monumento em homenagem aos mortos.

Rompimento da barragem matou 272 pessoas (11 continuam desaparecidas) e devastou uma área equivalente a 300 campos de futebol na cidade. O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) denunciou 16 pessoas por homicídio doloso e crime ambiental, entre elas Fábio Schvartsman, ex-presidente da Vale.

Apesar da denúncia, durante esse mês, a Vale também recuperou seu valor de mercado pré-Brumadinho. Um dia antes do rompimento da barragem, a ação valia R$ 56,15; no dia seguinte, a mineradora perdeu um quarto do seu valor. No último dia 14 de janeiro, a ação superou R$ 56 novamente.

No dia da denúncia a Vale se disse perplexa com a acusação, enquanto a TÜV SÜD afirmou que as causas do rompimento ainda não foram esclarecidas. Já a defesa de Schvartsman considerou a denúncia “açodada e injusta”.

Cerimônia na assembleia

O presidente da Assembleia Legislativa, Agostinho Patrus (PV), sugeriu que em todo dia 25 de janeiro bandeiras de Minas fiquem na altura de meio mastro, nos órgãos púbicos, numa clara demonstração de luto em homenagem às vítimas e familiares.

A cerimônia levou os presentes às lágrimas.

*Com informações Hoje em Dia e Valor Investe 

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia