JM Online

Jornal da Manhã 47 anos

Uberaba, 20 de outubro de 2019 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

GERAL

Marinha dos EUA confirma que vídeos de OVNIs são reais

Três vídeos foram divulgados mostrando pilotos perseguindo objetos voadores não-identificados

23/09/2019 - 00:00:00. Última atualização: 23/09/2019 - 17:46:50.

Foto/The Stars Academy of Arts & Science/Reprodução

A Marinha dos Estados Unidos anunciou que são reais os três vídeos de pilotos perseguindo objetos voadores não identificados (OVNIs). Os vídeos foram divulgados em dezembro de 2017 e março de 2018 pelo The New York Times, que mostrava os profissionais encontrando objetos esféricos misteriosos que pareciam, à primeira vista, se mover pelo ar de maneiras que confundiam os especialistas. Ninguém soube explicar o que eram tais objetos.

O porta-voz da Marinha, Joseph Gradishe, enviou uma declaração ao site The Black Vault confirmando a veracidade dos vídeos, explicando que tratam-se de "fenômenos aéreos não identificados". Isso significa que ainda não temos a confirmação de que são alienígenas, mas que é algo que a marinha não sabe explicar.

Gradisher explica que a terminologia ‘Fenômeno Aéreo Não-Identificado’ é usada por oferecer uma descrição básica sobre "avistamentos/observações de objetos aeronaves não-autorizados/não-identificados que foram observados entrando/operando no espaço aéreo de várias áreas de treinamento controladas pelas forças armadas”.

Fundado por John Greenewald Jr, o Black Vault é um blog sobre a inteligência norte-americana que publica dados obtidos geralmente por lei de acesso à informação. Em entrevista ao Washington Post, Greenewald afirma que as observações são significativas porque, pela primeira vez, a Marinha reconheceu a existência dos objetos nos vídeos registrados e admitiu que o departamento não foi capaz de identificá-los.

"Os militares mais poderosos não sabem quais são esses objetos", diz Greenewald. “Admitir que eles veem as coisas no céu e não conseguem identificá-las, isso para mim é a parte mais surpreendente." Greenewald também informou que os vídeos não foram originalmente destinados à divulgação pública.

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia