JM Online

Jornal da Manhã 47 anos

Uberaba, 16 de setembro de 2019 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

GERAL

Após tragédia, Brumadinho registra alta de suicídio e prescrição de remédios

No primeiro semestre de 2019 foram registradas 39 tentativas de suicídio na cidade

10/09/2019 - 00:00:00. Última atualização: 10/09/2019 - 14:06:03.

Pouco mais de sete meses depois da tragédia em Brumadinho, números da Secretaria Municipal da Saúde mostram aumento de suicídios e tentativas no município, principalmente entre mulheres. O quadro reflete a deterioração na saúde mental da população, comprovada por alta expressiva nas prescrições de antidepressivos e ansiolíticos (medicamentos para controlar ansiedade e tensão).

A ruptura da barragem de rejeitos de minério de ferro ocorreu no dia 25 de janeiro e no primeiro semestre de 2019 foram registradas 39 tentativas de suicídio na cidade (11 entre homens e 28 entre mulheres). Forma 9 a mais do que no mesmo período do ano passado - uma alta de 23%. Em relação aos suicídios, o número passou de um, em 2018, para 3 este ano.

"São mulheres que perderam filhos e marido. A sensação de perda para elas é maior para ressignificar a vida", disse o secretário municipal de Saúde de Brumadinho, Junio Araújo Alves. "Essa é uma face do adoecimento mental da população. Estamos trabalhando para evitar um quadro ainda pior."

Os dados da prefeitura mostram que o uso de antidepressivos por pacientes da rede pública de saúde foi, em agosto de 2019, 60% maior que no mesmo período do ano passado. Em relação aos ansiolíticos, o crescimento é ainda mais significativo, de 80%, no período.

Os números são ainda mais dramáticos se feito corte por remédio prescrito. "O uso de risperidona aumentou 143%", relata o secretário. A droga é utilizada no tratamento de psicoses, agindo contra transtornos relacionados a pensamento, emoções, ansiedade, distúrbios de percepção e desconfiança.

Ex-moradora de Córrego do Feijão - a localidade mais afetada pela lama -, Elizângela Gonçalves Maia, de 39 anos, está nos dois registros de alta de medicamentos da prefeitura: após a tragédia, passou a tomar antidepressivo e ansiolítico. Depois da lama, ela continuou morando no bairro, que é afastado do centro, mas, com o sobrevoo constante de helicópteros na região, sua casa foi tomada por rachaduras e interditada pela Defesa Civil. Hoje, mora na cidade em casa alugada pela Vale.

"Fui diagnosticada com depressão. O que sinto é que estou em um lugar que não é o meu", afirma Elizângela, que perdeu uma prima e amigos na tragédia. A ex-moradora do Córrego do Feijão continua trabalhando no bairro, como gerente de processamento em uma fazenda não atingida pela lama que produz pestos e antepastos. Elizângela passou a apresentar também pressão alta, mas diz não tomar remédio para a doença.

Somando os registros de todas as especialidades médicas, os atendimentos na rede primária de saúde de Brumadinho aumentaram 63% no primeiro quadrimestre de 2019, ante o mesmo período de 2018, saltando de 33 mil para 54 mil. A situação se repete na Unidade de Pronto Atendimento (UPA). Antes do rompimento, o número máximo de atendimentos em um plantão de 12 horas registrado pela Secretaria de Saúde foi de 165. Após a lama, o teto de atendimento subiu para 280.

As contas da prefeitura projetam alta de R$ 15 milhões em 2019 com gastos no setor de saúde, chegando no período a R$ 70 milhões ante R$ 55 milhões em 2018. Os recursos para cobrir a diferença sairão de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) no valor de R$ 31 milhões, para dois anos, fechado entre a Vale e a força-tarefa do Ministério Público que trabalha no levantamento dos impactos da lama na comunidade.

Como na guerra

O trauma psicológico sofrido por moradores de Brumadinho tem paralelo com o identificado em populações de países acometidos por guerras, destaca o professor Frederico Garcia, do Departamento de Saúde Mental da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). "As pessoas veem tanto a sua vida como seu futuro ameaçados de forma abrupta."

Nesse cenário, cresce o risco de aumento de casos de suicídio, doenças mentais e uso de drogas e álcool. "É uma situação de sofrimento que pode perdurar por muitos anos. E não se pode minimizar a perda de cada pessoa, seja de parentes, perspectivas trabalho ou sonhos. Todas as perdas podem ter consequências negativas", diz. 

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia