JM Online

Jornal da Manhã 47 anos

Uberaba, 15 de setembro de 2019 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

GERAL

Com tantos aumentos, gás de cozinha virou artigo de luxo no Brasil, diz Associação

Para Asmig, novo aumento do GLP dá sustentação ao programa Bolsa Família

Última atualização: 06/01/2018 - 14:54:36.

 Por meio da Petrobras S,A, o Governo Federal conseguiu fazer um produto de utilidade pública um artigo de luxo, na avaliação da Associação Brasileira dos Revendedores de GLP (Asmig-BR). A associação afirma que, de janeiro a dezembro de 2017, o botijão de gás de cozinha subiu na Petrobras, em média, R$ 10,54. “Considerando a média de venda Brasil, 35 milhões de botijões de até 13 kg, a Petrobras teve um aumento de sua lucratividade por mês de R$ 369.050.657,50 e, por ano, de R$ 4.428.607.890,00”, afirma a associação.

 A Asmig-BR destaca que, na véspera do verão na Europa, período onde é registrada queda nos preços internacionais do GLP, a Petrobras promete rever sua política de preço do gás de cozinha. “O GLP está no seu maior valor, um aumento histórico, e a projeção deveria ser de queda, seguindo os parâmetros internacionais. Nos preocupa qual será a nova política de preço, qual a desculpa a Petrobras utilizará para justificar não reduzir da mesma forma o preço do gás de cozinha?”, questiona a entidade.

 Outro ponto destacado pela associação é o aumento de impostos desde 2 de janeiro do ano passado, quando as companhias anunciaram novo aumento, justificado pelo aumento do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).

 “Em alguns estados esse aumento chega a R$ 0,13, como é o caso de Minas Geais, mas em outros a elevação atinge R$ 1,85, como Pernambuco. O que nos chamou a atenção foi o paralelo com o programa Bolsa família, o gás de cozinha tem como seu consumidor principal as famílias de baixa renda, o mesmo público beneficiado com este programa”, avalia a Asmig-BR.

 Segundo a associação, considerando apenas a arrecadação do ICMS, PIS/Cofins do gás de cozinha, nota-se que em grande parte dos Estados estes impostos sustentam o programa Bolsa Família, como o caso de Santa Catarina. “Ou seja, as famílias de baixa renda compram o gás de cozinha com impostos elevados, e estes impostos sustentam um programa que deveria dar melhores condições de vida às famílias”, analisa.

 Como o preço do gás de cozinha é livre, as companhias distribuidoras e revendas podem repassar valores acima do estabelecido, incluindo nesse aumento as elevações de custos, como o do frete, que sofre aumentos quase que diários com a nova política de preço de combustíveis da Petrobras.

 Aumento histórico. Em 2017 o preço do botijão de gás teve a maior alta desde o ano de 2002. Segundo dados da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), o valor médio do botijão de gás em dezembro do ano passado chegou a R$66,53, representando uma elevação de 16,39% com relação ao verificado no mesmo mês de 2016, já descontando a inflação do período.

 Ao longo do ano passado, quando deu início a nova política de ajustes diários, a Petrobras promoveu 119 mudanças no preço, tanto para cima como para baixo, mas o principalmente impacto foi do aumento das alíquotas de PIS/Cofins, promovidas pelo governo Michel Temer no fim de julho.

 Fonte: Asmig-BR, com informações da Folha de São Paulo

 

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia