JM Online

Jornal da Manhã 46 anos

Uberaba, 20 de março de 2019 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

Colunas

Lídia Prata
Raquel Ribeiro #FICADICA 10/03/2019

MEMÓRIAS AFETIVAS
Quem aí não guarda a lembrança de um cheiro de comidinha da infância, ou do som que mais se ouvia na casa da vovó, ou a memória do primeiro e desastroso beijo? Isso, meus caros, chama-se memória afetiva. Elas são a prova de que você realmente viveu e esteve presente em momentos da sua vida. Pode se orgulhar, você em algum ou em vários momentos se entregou às situações vividas e isso é única e exclusivamente seu e de quem também coleciona memórias afetivas que o envolva. Há quem diga que as melhores memórias afetivas são vividas apenas entre duas pessoas; com o coletivo, ela se perde e origina diferentes sensações. Eu acredito nessa teoria e, ainda, digo mais: as melhores memórias afetivas da sua vida merecem ficar guardadas com você e aqueles que delas compartilharam. No máximo um ou dois amigos que o conheçam bem saberão entender, vivenciar e apreciar a suas memórias afetivas. Para finalizar, descobri recentemente que temos muito a agradecer aos nossos pais, avós, tios ou a quem quer que tenha participado da nossa formação e criação. Além de serem eles os responsáveis pelas primeiras memórias afetivas que temos, são eles também que carregaram o fardo que não carregamos e isso nos permitiu viver mais leves, colecionando mais e mais memórias afetivas. Parece complicado, e é, mas faz sentido. Repare que suas primeiras memórias afetivas vêm da infância, geralmente geradas pelos nossos doces e adoráveis avós, que têm apenas uma regra na vida: não ter regras! Além disso, quem geralmente tem uma vida plena e mais feliz, pode reparar, tem um pai ou uma mãe mais fechado e quase inacessível. É quase automático isso; enquanto você se permitia viver mais leve, alguém carregou o peso por você. Portanto, além de agradecer ao supertio, à superavó ou ao superavô por ensiná-lo a colecionar e a criar memórias afetivas, é bom agradecer aos pais que muitas, aliás, inúmeras vezes, carregaram pesos, deixaram de viver seus momentos de felicidade para se entregarem ao peso da responsabilidade. Não é que não temos memórias afetivas com os mais ranzinzas. Se procurarmos lá no fundo, nós as teremos, mas elas realmente são poucas, porque fatalmente eles estavam ocupados com afazeres e chatices que aliviaram a barra para que você fosse mais feliz e leve. E, se isso fez algum sentido para você, agradeça aos ranzinzas e os entenda; depois os libere, mesmo que mentalmente, para que eles possam se permitir. E, se você está mesmo empenhado em criar memórias afetivas com um durão, se prepare, a tarefa é árdua, mas pode ser que você, ao escolher o seu Malvado favorito, se surpreenda e descubra que o Malvado pode produzir as maiores e melhores memórias afetivas da sua vida. E, depois que isso acontece e a torneirinha se abre, não se restrinja a você, ele tem muito a oferecer para o mundo. Afinal, um dia ele foi leve, assim como você. Não é mérito seu, é mérito do marrento que redescobriu como é mais gostoso colecionar memórias afetivas do que cultivar problemas em seu mundo fechado e malvado, que, aí sim, através de você, ele voltou a ser mais doce e aberto para novas e deliciosas experiências e memórias afetivas.

POR MAIS OLHARES SORRIDENTES
Você aí sabe qual o melhor sorriso?
Seria o mais branquinho ou o mais arregalado e aberto?
Nada disso.
O melhor sorriso é aquele que está escondido no olhar.
Ele vem de dentro e reflete a alma de quem o produz.
Não que os problemas não existam ou que a vida seja um mar de rosas.
Não, definitivamente não.
Mas quem se permite sorrir com o olhar é porque se permite VIVER com o mundo e para o mundo à sua volta.
E quer saber? Para quem ama de verdade, isso basta.
É através desse olhar que a tranquilidade chega.
É ele que nos faz deixar a vida fluir e o passarinho voar.
Que ele vá, voe, seja feliz, mas que não voe tão alto.
Não que ele não possa, mas é que para quem ama é sempre bom poder olhar para o melhor olhar do mundo e encontrar a paz que tanto nos acalma e acolhe a alma.
Isso, meus caros, não é buscar a felicidade no outro.
É entender e aceitar de uma vez por todas que a felicidade do outro é parte integrante da sua felicidade.
Que nunca desistamos de fazer os olhares de quem amamos sorrir, mesmo que não seja por nossa causa, mas em prol da felicidade do outro, que é sem dúvida parte integrante da nossa felicidade e tranquilidade.
Que possamos ser generosos e deixar quem mais amamos voar e que possamos nos permitir voar e voltar nossos olhares um para o outro sempre que precisarmos. Isso não é só amar, é encontrar e reconhecer as muitas almas que nos completam.
Busque sempre o sorriso no olhar de quem faz a diferença para você. Isso será o seu maior conforto e sua melhor conquista, que atende pelo nome de felicidade rara e plena.

COLOCANDO A VIDA EM DIA
Sabe aquela pilha de papel que vai ficando e ficando e ficando em cima da mesa de trabalho? Ou, então, aquelas atividades domésticas que nunca queremos fazer, como consertar o pé do banquinho ou mesmo arrumar o armário de roupas de cama. Pois foi buscando zerar essas atividades chatas, as quais sempre deixamos para depois, que criei a lista. E não é que estou quase zerando todas as pendências? Fiz uma lista com as mais diversas atividades, separadas, em atividades do trabalho e atividades domésticas no início de fevereiro. Coloquei como meta riscar pelo menos duas das atividades horrendas por semana. E não é que tem dado certo? Médico, dentista, jardineiro, pedreiro, pendências e burocracias em bancos e cartórios, tudo sendo resolvido e as coisas fluindo ainda mais. Quer saber? Vale experimentar e eliminar, de uma vez por todas da sua vida, essas atividades chatas, porém necessárias. De uma maneira ou de outra, a energia circula e você flui e evolui muito mais. Papel e caneta na mão e play na lista chata e interminável, que aos poucos continuará chata, porém, completamente realizável e findada.

AMBIENTES COLORIDOS
Você sabia que as cores refletem nosso estado de espírito? Elas são um reflexo dos sentimentos das pessoas e, no décor, isso não é diferente. Cada um tem sua preferência na hora de dar um toque de cor no ambiente, o que vai de acordo com a preferência de cada um e pode mudar ao longo da vida. Afinal, temos fases mais monocromáticas e fases mais multicoloridas. O que vale mesmo é deixar nossa identidade no ambiente em que vivemos, seja você monocromático, pouco ou muito colorido. É importante não deixar de sempre dar um up e mudar o visual da sua casa, nem que seja nos detalhes e objetos de decoração.

MENINGITE B
É bom você estar atento e de olho. A meningite apresenta sintomas inicialmente que podem ser confundidos com os de uma gripe. A doença pode deixar sequelas graves e irreversíveis, com repercussão significativa em nível pessoal, escolar e profissional, sendo que um em cada cinco sobreviventes à doença apresenta sequelas e incapacidade por toda a vida. Além disso, a menigite pode matar em um período de 24 horas, sendo que a cada dia faz cerca de 180 vítimas fatais pelo mundo todo. Para prevenir a doença, a melhor providência é a vacinação, que pode ser feita em crianças a partir de 3 meses de idade, adolescentes e adultos. Em todas as unidades da Vacinar, em Uberaba e região, a vacina está disponível. Lá os profissionais estão aptos a tirar dúvidas e esclarecer mais sobre a doença e a sua prevenção. Procure uma das unidades Vacinar mais próximas de você. Em Uberaba, em dois endereços: avenida Santos Dumont, 644, e avenida Guilherme Ferreira, 767. Para dúvidas e atendimento domiciliar, ligue 3316-3700 ou via WhatsApp 9 9652-3700.

DENTRO DA HISTÓRIA
Esta é mais uma das coisas boas que a internet nos traz. Trata-se de um site, dentrodahistoria.com.br, que vende livros personalizados, em que o protagonista da história tem nome e características da sua criança. Um incentivo e tanto para a leitura. Vale a pena navegar pelo site. São vários títulos, separados por categorias de idade, que vão fazer a cabeça do seu pequeno e levá-lo a viajar em um mundo de aventura, através do mundo letrado.

JÁ QUE O ASSUNTO É LEITURA
Aí vai uma dica e tanto para os tarados por gibis e tecnologia.
Quem é fã dos personagens de Maurício de Souza agora pode ler as histórias em quadrinhos direto do celular. A Turma da Mônica lançou um aplicativo com as edições de gibis desde 1950 até os atuais. Com o nome de Banca da Mônica, o aplicativo, além de disponibilizar edições antigas, que não se encontram à venda nas bancas normais, aproveita a tecnologia para incentivar a leitura em diferentes formatos. A Banca da Mônica oferece opções de assinatura para o leitor ter acesso a diferentes histórias em quadrinhos e opção de adquirir edições da linha de Graphic Novels da turma. Os títulos podem ser acessados por celular ou computador, com 30 dias de assinatura inteiramente grátis. Uma ideia bacana, mas muitos, assim como eu, preferem mesmo é passar as páginas do gibi e sentir aquele cheirinho inigualável das revistinhas.


 

COMPOSTO DE PNEUS PARA 2019
Para quem até bem pouco tempo dizia entender alguma coisa de Fórmula 1 e se atrapalhava com a definição de um pneu slick, as mudanças feitas este ano, com certeza, vão demorar pelo menos até meados de 2019 para entrar na minha cabecinha. A não ser que a didática seja tão boa quanto a dos slicks para que eu, de uma vez por todas, não confunda as novas cores e nomenclaturas. Os meninos do Tomada de tempo fizeram um resumo que me ajuda, o que não dispensa a ajuda dos meus experts favoritos de F1, não só para entender, mas para memorizá-las. Então, vamos às mudanças. Em 2018, tivemos sabores para todos os gostos e com nomes mais sugestivos (hipermacios, ultramacios, supermacios, macios, médios, duro, superduro). Este ano, porém, a FIA e FOM solicitaram à Pirelli uma simplificação, visando melhor entendimento pelos fãs. Portanto, este ano os nomes deram lugar aos códigos C1, C2, C3, C4 e C5, sendo que o composto C1 é o antigo duro; o C2 é o médio; o C3 é o macio; o C4 é o ultramacio, e o C5 é o hipermacio. Sairam totalmente de cena o SUPERMACIO e SUPERDURO. As cores, para a bagunça geral na minha cabecinha, também foram mudadas! Em 2018, sete compostos e sete cores; em 2019, cinco compostos e três cores – Vermelho, Branco e Amarelo. Os brancos são os mais duros (C1 e C2), o amarelo, o médio (C3), e os vermelhos, os mais macios (C4 e C5). Na foto, o esquema com as devidas comparações entre os anos de 2018 e 2019 ilustram bem a explicação. E, falando em desempenho, a expectativa era de que cada composto fosse 0,6 segundo mais rápido que o anterior, na ordem do C1 para o C5 (mais macio), o que se confirmou nos testes de Barcelona.

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia