JM Online

Jornal da Manhã 46 anos

Uberaba, 27 de março de 2019 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

Colunas

Lídia Prata
Alexandre Pereira CÁ ENTRE NÓS 02/03/2019

Estamos chegando
A partir de hoje, Uberaba inicia a caminhada para seus 200 anos, como cidade reconhecida nacional e internacionalmente como a “Capital do Zebu”, a “Terra do Espiritismo”, a “Cidade Universitária” e a maior produtora de fertilizantes da América Latina, etc. Mas é preciso pensar maior, romper paradigmas e trabalhar pela ampliação dos horizontes.

A hora é agora
Uberaba precisa que cada cidadão faça sua parte, em cada bairro e na zona rural. Trabalhe, estude, participe do dia a dia da cidade. Denuncie o que está errado, mas aponte o que está certo. Se a cidade cresce e se desenvolve, também evoluímos com ela. Se ela anda para trás, a maioria perde e, claro, apenas os espertos e oportunistas ganham.

Fique alerta
Não podemos ficar presos aos ranços da política partidária. Os governos passam, mas o povo fica e paga a conta, com as boas e más decisões tomadas por eles e, principalmente, por nós. Não existem milagres, muito menos santos. No ano 200 da cidade teremos eleição. Cuidado com aqueles que se identifiquem como “Salvadores da Pátria”. Preste atenção nas propostas dos pré-candidatos, levante sua ficha corrida, sua capacidade administrativa e intelectual. Não podemos errar mais. Não venda seu voto.

Requisitos
Política não se faz sozinho. Não existe candidato de si mesmo. Ele deve representar determinado segmento e ter um grupo que o sustenta, mas é necessário identificá-los. Onde eles prestaram serviço e (des)serviço. E você precisa participar da vida política da cidade, do Estado e do país, mas não somente na véspera da eleição. No mínimo acompanhar as audiências públicas da Prefeitura e as votações da Câmara Municipal, para questionar com fundamentos às decisões do Executivo e do Legislativo. Eles interferem muito mais do que você imagina na vida de todos nós.

Sem omissão
Acabou de passar uma eleição e começa outra. É assim mesmo, temos votação a cada dois anos. Não adianta simplesmente ser contra e se abster. Talvez esse seja o principal problema, pois poucos estão decidindo por muitos. Os votos nulos, brancos e abstenção são falta de cidadania. A omissão tem sido um dos “pecados capitais” da humanidade.

Consequências
Na pré e na campanha eleitoral, os pretensos candidatos prometem de tudo e principalmente apontam os defeitos uns dos outros. Fala-se de erros, reformas, mudanças, obras, projetos e programas, mas não se aponta de onde vão sair os recursos necessários. Questione isso! O cenário é nebuloso, tanto na União como no Estado. As arrecadações têm caído. As verbas minguadas vão reduzir ainda mais, uma vez que a cidade perdeu representação. Eram quatro deputados federais e hoje é apenas um. Eram dois parlamentares estaduais e atualmente é um. As emendas parlamentares serão bem menores.

Mais
O próximo prefeito e vereadores deverão ter a sensibilidade de reduzir o tamanho da máquina administrativa, cortando cargos comissionados e ações infrutíferas nas duas casas. Parece que hoje a preocupação maior é com homenagens. Não adianta empurrar os problemas para debaixo do tapete, como a dívida e o futuro do Instituto de Previdência dos Servidores (Ipserv), parcelando a perder de vista. As enchentes e alagamentos continuam, a malha viária está cheia de buracos e os terrenos públicos sujos, só para exemplificar. A lista é longa.

Cidade cresce
Nesses 199 anos, cada prefeito e vereador deram sua contribuição para o desenvolvimento da cidade. Trouxeram energia elétrica, trataram a água, asfaltaram ruas, abriram postos de saúde e criaram escolas. Na atualidade, mais que abrir novas unidades, é preciso fazer com que funcionem bem as existentes. Uberaba vai seguir, independentemente de quem esteja no poder. A cidade hoje é muito maior. Sua economia é diversificada. Por isso, sente menos os efeitos da crise econômica. Esse talvez tenha sido a principal contribuição de quem passou pelo Executivo.

Vida que segue
Uberaba não pode fechar os olhos para sua vocação, mas também precisa incentivar os novos negócios. Nossas startups têm feito sucesso, atraindo investimentos e rompendo fronteiras. A formação escolar, técnica e intelectual é a principal ação que qualquer governo deve priorizar. Mais que abrir novas portas, é preciso equipar essas unidades, capacitar os educadores, remunerá-los bem, trocar experiências. Só assim Uberaba vai ultrapassar os 200 anos diferentemente das demais cidades, com uma população crítica, mas também participativa, integrada e criadora de novas tecnologias.

Viva Uberaba!
Viva você!

 

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia