JM Online

Jornal da Manhã 46 anos

Uberaba, 22 de abril de 2019 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

Colunas

Lídia Prata
Jorge Nabut JORGE ALBERTO 05/02/2019

CONQUISTA

Felipe Tonelli Borges forma-se em Engenharia Civil pela UFTM, dia 14 de fevereiro.

 

 

 

 

 

 

 

JANEIRO


Vera Lúcia e o médico Eurípedes Carvalho, em temporada de férias no Rio de Janeiro.

 Nova York

Anelise Martinelli e o namorado, Cássio Matins, em passeio pelo Central Park, com temperatura bem abaixo de zero

 

 

 

 

 

 

 

FUTVÔLEI NO UIRAPURU

SUCESSO do alto verão, o futvôlei está movimentando as quadras de areia do Uirapuru Iate Clube. Mais que requisitado, o professor Laerte é todo atenção com o associado que adere ao novo esporte no belíssimo clube de campo. Se as moças dão charme especial às quadras de areia, os rapazes mostram energia matando a bola no peito, cabeceando e chutando sobre a rede. Uirapuru Iate Clube vive um grande momento, neste verão. 

Foto/Mauro Costa


O futvôlei está em alto no verão do Uirapuru Iate Clube; na foto, o professor Laerte com Pâmela, Érika, Lorena e Daiane


Clima de descontração tomou conta de Milena Gabriele e Laura Arduini nas baladas da city


Babi Magela recebendo gatas amigas de Ribeirão Preto, no fds: Luana Cardoso, Maiary Fábio, Raísa Fernandes e Caroline


Senhora Stella Terra Cecílio fez 90 anos, com direito a recepção nos jardins da residência da filha Vera, na foto, com filhos e netos, e Paulo José Derenusson


Vera Cecílio, Maria Cristina Coelho e Ana Amélia


Vera Cecílio com Bia Bruno Derenusson e Ana Amélia Derenusson 
 

Rio de Janeiro – Vera Lúcia e Eurípedes Carvalho, que fez questão de rever o famoso bar Garota de Ipanema, em férias com os filhos Rodrigo e Ana Vera e os alegres netos
 
FORMATURAS FASHION

Charme de Ivalda Modas para as formaturas que dominam a agenda de fevereiro
 
DOMINANDO a agenda de fevereiro, as formaturas merecem de Ivalda Modas um guarda-roupa muito especial. Dominada pelos longuetes, o modelo mais procurado da saison, as tendências de Ivalda Modas são dicas muito bem-vindas. Os curtos trabalhados também são opção. Os longos poderosos são para os casamentos. 


 

GLÓRIA E OCASO

TRAJETÓRIA do jornalista Giba Um – filho de imigrantes italianos radicados em São Paulo e nascido Gilberto Di Pierro – teve brilho próprio. Amigo íntimo de personalidades como Pelé e Chiquinho Scarpa e casado com a atriz Pepita Rodrigues, ajudou a revolucionar o colunismo social do Brasil. Mesclava política, sociedade, economia e celebridades, publicadas no jornal Folha da Tarde, depois na Última Hora. Paparicadíssimo e impecável na elegância, cultivou fama aparecendo na televisão como jurado nos programas de auditório de Silvio Santos e Flávio Cavalcanti. Com um cigarro Minister na mão direita e um copo de uísque J&B na esquerda, passou praticamente de 1969 ao fim da década de 80 nas festas mais badaladas do país. As deslumbrantes Leila Diniz e Matilde Mastrangi renderam-se a seu charme.
 

Glória e Ocaso – Colunista Giba Um vive período de ocaso após brilhar na trajetória de colunista social

FINAL POUCO FELIZ

“HOJE, o colunista social Giba Um, 76 anos, tem um câncer no sistema linfático do tipo não-Hodgkin. Com a ajuda de um oncologista, batalhou por vaga em hospital público e conseguiu se inscrever para tratamento no Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp). ‘Ao chegar ao ambulatório do SUS, pensei estar passando pela porta do inferno’, lembra ele. Cumpriu os oito protocolos de quimioterapia e, durante todo o processo, não recebeu uma única mensagem no celular dos poderosos que formavam seu círculo de amizades na época em que era colunista social. ‘Os convites rarearam e o telefone tocava menos, mas uma coisa é fato: as festas atuais são uma cafonice’. Chegou a pedir ao colega e apresentador de TV Amaury Jr. que intermediasse a instituição de uma mesada solidária entre ricaços de quem foi próximo. A ideia não vingou. Vendeu o apartamento em que morava e está procurando um novo e menor lar. O dinheiro que Giba ganha [ainda trabalha para jornais pequenos, como o Correio do Estado, de Campo Grande] não cobre seus gastos. Ele tem vendido objetos, como dois quadros de Iberê Camargo, e alguns relógios Baume & Mercier e Patek Philippe, para custear seus gastos com saúde”. - VEJA de 9/1/2019, edição nº 2.616.

• A história de Giba me fez lembrar a fantástica novela Bola de Sebo, de Guy de Maupassant, levada ao cinema por John Ford (No Tempo das Diligências), retrato abrupto da sociedade em relação à personagem central.

DECORAÇÃO TOP

DIVERSIDADE na decoração chega com tudo, no mês que acabam de inaugurar. Fevereiro é um mês de sorte na Brasilar. O showroom é espaço aberto a todos os decoradores e decoradoras prontos para investirem, com criatividade, nos projetos de clientes top. O momento é muito especial para clientes de Brasilar.

Foto/Vítor Aragão


As tendências da decoração 2019 dão requinte ao showroom de Brasilar

TAPETE VOADOR

Presença – Na cidade, o mestre em Literatura, Luiz Alberto Miranda. Veio de Goiânia, onde reside, para a comemoração dos 90 anos da senhora Lúcia Miranda Cardoso, que congregou grande número de familiares.

Distúrbio genético – Casado há 34 anos com Marli, o colunista Giba Um tem com ela dois filhos: a produtora de eventos Bianca e Bruno, de 34 anos, nascido com síndrome de Down. O colunista é fundador da primeira ONG brasileira voltada para o distúrbio genético. 

Entre processos – Das dezenas de processos de difamação que colecionou, o colunista Giba Um só perdeu um, para a filha do ex-presidente Lula, Lurian (100.000 reais), por insinuação de envolvimento em corrupção.

Centro da cidade – Na página Alternativa, interina Marilu Teixeira pega carona com a Aciu, única entidade a levantar a voz contra os horrores por que tem passado o centro da cidade. E põe horror nisso! Por total descrença na coisa pública, municipal, estadual, federal, a gente se habitua a se horrorizar e como “bom brasileiro”, fica calado, tipo assim: “deixa pra lá, não tem jeito mesmo”. A cidade se desfigurou, o cidadão foi enxotado do centro e, caso alguém deseja tomar um café à noite, a região é tão deserta que nem assaltantes se arriscam a frequentá-la. Além do quê, café ali não existe. A uma quadra da farmácia, temos de pegar o carro para sair e comprar remédio. Medo.

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia