JM Online

Jornal da Manhã 46 anos

Uberaba, 21 de julho de 2019 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

POLÍTICA

CPI vê falhas do BNDES em operações no exterior durante os governos do PT

Comissão já reuniu informações que apontam para falhas do banco no financiamento de obras na Venezuela, em Cuba, Moçambique e outros países

24/06/2019 - 00:00:00. Última atualização: 24/06/2019 - 14:15:01.

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Câmara Federal criada para investigar empréstimos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) no exterior reuniu, em três meses de funcionamento, informações que apontam para falhas no financiamento de obras na Venezuela, em Cuba, em Moçambique e em outros países durante os anos de governo do PT. Documentos obtidos pelo jornal O Estado de São Paulo mostram ausência de critérios para rebaixamento de risco antes de conceder o crédito e a falta de auditoria fora do país para fiscalizar a aplicação do dinheiro estão entre os principais pontos levantados até agora.

O banco sempre negou a falha na concessão de empréstimos, parte de estratégia das gestões de Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff para incentivar a internacionalização de empresas brasileiras. Contudo, adversários demonstram motivações políticas nas operações, que beneficiam empreiteiras alvo da Lava-Jato.

Esta é a terceira CPI criada no Congresso Nacional nos últimos quatro anos para investigar possíveis irregularidades no BNDES nos governos Lula e Dilma. As outras duas não chegaram a uma conclusão e parlamentares reclamam da falta de acesso a informações do banco.

Por trás da nova linha de investigação está a avaliação de que a diretoria do BNDES foi negligente ao não se preocupar com as avaliações de risco das operações, que eram, no jargão dos técnicos, “empacotadas” em Brasília. Isso porque os financiamentos ao exterior tinham como garantia recursos do Tesouro Nacional. Ou seja, se algo desse errado, o banco não teria prejuízo, uma vez que a dívida seria coberta com dinheiro público.

*Com informações do Estadão

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia