JM Online

Jornal da Manhã 46 anos

Uberaba, 18 de abril de 2019 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

POLÍTICA

Michel Temer e Moreira Franco passam primeira noite em prisões no RJ

Ex-presidente ficou confinado em uma sala com cerca de 20m², ar-condicionado, frigobar e um banheiro privativo

22/03/2019 - 06:52:19. Última atualização: 22/03/2019 - 06:53:54.

REUTERS/Ricardo Moraes

Michel Temer e Moreira Franco passaram a primeira noite na prisão. O ex-presidente está na superintendência da Polícia Federal, em uma sala na corregedoria que tem cerca de 20m², ar-condicionado, frigobar e um banheiro privativo – é uma das poucas salas no edifício com banheiro privativo. Já o ex-governador do Rio de Janeiro ficará preso na mesma unidade prisional onde está o também ex-governador Luiz Fernando Pezão, em Niterói. Os dois foram presos em desdobramento da Operação Lava-Jato ontem, após decisão do juiz federal Marcelo Bretas. A prisão teve como base a delação de José Antunes Sobrinho, dono da Engevix, que disse ter pago R$ 1 milhão em propina.

Temer foi para a sede da superintendência da PF a pedido da defesa, acatado pelo juiz. Bretas usou como argumento que Temer deve ter os mesmos direitos que o também ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso na Superintendência da PF de Curitiba.

Ao total, foram cumpridos 10 mandados de prisão, entre os quais está João Batista Lima Filho (coronel Lima), amigo pessoal de Temer e dono da empresa Argeplan. Coronel Lima também ficará na Unidade Prisional da Polícia Militar, em Niterói.

Investigação. As investigações apontam que Temer liderava organização criminosa para desvio de dinheiro público há 40 anos. O Ministério Público Federal (MPF) no Rio de Janeiro afirma que a soma dos valores de propinas recebidas ou prometidas ao suposto grupo criminoso ultrapassa R$ 1,8 bilhão. Além disso, os procuradores da República sustentam que os investigados monitoravam agentes da Polícia Federal. Os mandados de prisão são resultado da investigação sobre obras da usina nuclear de Angra 3, administrada pela estatal Eletronuclear. "O que foi verificado é que o coronel Lima, desde a década de 1980, já atua na Argeplan. É possível ver o crescimento da empresa a partir da atuação de Michel Temer. (...) Existe uma planilha que demonstra que promessas de pagamentos foram feitas ao longo de 20 anos para a sigla MT - ou seja, Michel Temer", justificou a procuradora da República Fabiana Schneider, que também integra a força-tarefa da Lava Jato no Rio. A procuradora também afirma que escutas telefônicas apontam que coronel Lima “era a pessoa que intermediava as entregas de dinheiro a Michel Temer”. Além disso, as investigações também demonstram que há fortes indícios de que a reforma no apartamento de Maristela Temer, filha do ex-presidente Michel Temer, foi feita com dinheiro de propina.

Defesa de Temer afirma que prisão não tem fundamento

Segundo o advogado Eduardo Pizarro Carnelós, que defende o ex-presidente Michel Temer, sua prisão é um “dos mais graves atentados ao Estado democrático de Direito no Brasil”. Ele afirma que não há provas que apontam a participação de Temer. “Resta evidente a total falta de fundamento para a prisão decretada, a qual serve apenas à exibição do ex-presidente como troféu aos que, a pretexto de combater a corrupção, escarnecem das regras básicas inscritas na Constituição da República e na legislação ordinária”, falou o advogado, em nota. A defesa dele entrou com pedido de habeas corpus no Tribunal Regional Federal da 2ª Região, também no Rio.

 

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia