JM Online

Jornal da Manhã 46 anos

Uberaba, 20 de abril de 2019 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

POLÍTICA

Educadores do município esperam pelo menos 15,2% de reajuste para este ano

O percentual seria o mínimo necessário para que a Prefeitura volte a pagar o piso do magistério proporcional

20/03/2019 - 00:00:00. - Por Gisele Barcelos Última atualização: 20/03/2019 - 06:59:43.

Aguardando chamado para negociação salarial com o Executivo, educadores da rede municipal esperam, no mínimo, índice de reajuste de 15,2% este ano. O percentual, conforme boletim divulgado por sindicato que representa a categoria, seria o mínimo necessário para que a Prefeitura volte a pagar o piso do magistério proporcional para jornada de 27 horas.

A expectativa dos sindicalistas é que a primeira rodada de negociação ocorra ainda esta semana. No entanto, o presidente do Sindemu (Sindicato dos Educadores do Município de Uberaba), Bruno Ferreira, manifestou que até ontem a reunião não havia sido marcada.
 
Além do cumprimento integral da lei do piso nacional do magistério, os professores cobram a equiparação do tíquete-alimentação ao valor pago ao restante do funcionalismo, uma legislação para evitar a superlotação nas salas de aula, o fim do assédio moral nas unidades, a realização de mais concursos públicos, o cumprimento do 1/3 extraclasse das pedagogas e a redução da carga horária para educadores com filhos de necessidades especiais.
 
Na semana passada o prefeito Paulo Piau (MDB) se sentou com os representantes do SSPMU (Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Uberaba) e ofereceu ao restante do funcionalismo o índice salarial de 8,8% e aumento de R$20 no tíquete-alimentação.
 
Em assembleia esta semana, os servidores deliberaram que aceitam o percentual de 8,8% como recomposição salarial, mas apenas se vier acompanhado também de mais 11,2% como aumento real, o que totalizaria reajuste de 20% este ano. Além disso, o funcionalismo rejeitou o aumento de R$20 no tíquete-alimentação e quer, pelo menos, R$50 de incremento no benefício.

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia