JM Online

Jornal da Manhã 46 anos

Uberaba, 19 de outubro de 2018 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

ESPORTE

Todt quer F1 e WEC com mesma tecnologia de motor

Última atualização: 07/12/2017 - 08:23:03.

Foto/Divulgação

Presidente da FIA, Jean Todt, trava briga com equipes de F1 sobre limites no motor para a categoria

Fã dos motores híbridos, Jean Todt não descarta a possibilidade de a F1 e o Mundial de Endurance compartilharem a tecnologia a partir de 2021, quando a categoria máxima do automobilismo vai adotar novas regras para a construção e desenvolvimento da sua unidade de potência. A F1 passou a adotar os motores híbridos desde 2014, enquanto os protótipos da LMP1 são empurrados por propulsores desta tecnologia.

Não é a primeira vez que o presidente da FIA (Federação Internacional de Automobilismo) sugere algo do tipo. Em 2014, por exemplo, Todt sugeriu a adoção de um motor universal, que pudesse ser usado de forma padrão em várias categorias de ponta. Mas a ideia não prosperou. Agora, com a proximidade de um novo regulamento de motores, o dirigente francês vê espaço para colocar em prática um antigo desejo.

No fim das contas, tudo é parte do plano de Todt de convergência de categorias, proporcionando às equipes de F1, por exemplo, a chance de correr as 24 Horas de Le Mans. Para 2018, uma nova — e controversa — regra é a redução do limite de motores, de quatro para três, usados por cada piloto ao longo da temporada.

“Neste momento, temos regras de motor distintas para cada categoria. Mas não tem de ser assim. As exigências para a F1 e o Mundial de Endurance são parecidas. Um motor de F1 tem de fazer 5 mil km, que é quase a distância de Le Mans”, comentou Todt durante entrevista à revista alemã ‘Auto Motor und Sport’. 

O francês deixou claro que não vai retroceder na diminuição do limite de motores, apesar de críticas das equipes, como a Red Bull.

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia