JM Online

Jornal da Manhã 46 anos

Uberaba, 13 de novembro de 2018 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

ARTICULISTAS

A voz do pastor

Pastor e ovelhas caminham numa relação afetiva

- Por Dom Paulo Mendes Peixoto Última atualização: 20/04/2013 - 20:09:38.

Pastor e ovelhas caminham numa relação afetiva, de autoridade e de acolhida. Dizemos que Deus é pastor do povo de Israel, e Jesus é pastor de todos os seres humanos. Mas o pastoreio se estende por todas as pessoas que têm o papel de responsabilidade diante dos compromissos e da missão assumidos na vida real.

É inconcebível um pastor que não conhece as suas ovelhas, não tendo, por isto, como acompanhá-las de perto e de ajudá-las em suas necessidades. Com muita facilidade toma atitudes de exploração e de desrespeito para com elas. Normalmente os mais fracos sofrem as consequências e o peso das arbitrariedades cometidas, sem respeito, aos mais fracos e excluídos dos direitos que são de todos.

O que dá sustentação e credibilidade à voz de Jesus Cristo, como Pastor, é a realidade da ressurreição. Ele continua vivo e atuando na pessoa de quem procura fazer o bem, de quem age preocupado com a dignidade das pessoas, tanto na justiça como na fraternidade. Estes são frutos de quem entendeu o sentido vital da ressurreição.

Algumas atitudes negativas fazem parte da nossa vida. Entre elas podemos destacar a inveja, a facilidade no campo da exploração, o egoísmo e coisas parecidas. São as chamadas impurezas, aquilo que desqualifica o exercício dos pastores, porque passam a ter uma prática de exploração que prejudica o povo.

Muitos dirigentes “sacodem as poeiras dos sapatos” (At 13, 51). Agem de forma descompromissada e com pouca visão do bem comum, trazendo como consequência, o sofrimento de muita gente. Não tratam as ovelhas como elas merecem e nem levam em conta os parâmetros que são garantidos pela lei contida na Constituição.

A pureza de coração é um dom que vem de Deus. É não se deixar corromper pela cultura do ter, do poder e do prazer. A contaminação da idolatria é muito forte e envolvente, que vem afetando a fidelidade de muitos líderes bem intencionados. Quem é fiel aos princípios da ética e da justiça tem a proteção incondicional de Deus.

 

(*) Arcebispo de Uberaba

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia