JM Online

Jornal da Manhã 46 anos

Uberaba, 26 de maio de 2019 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

Instante

O pulso pulsa calmamente. Assim se mantém a vida. Há medo extremo que o pulso pare. Fim da vida

18/05/2019 - 00:00:00. - Por Ricardo Cavalcante Motta

O pulso pulsa calmamente. Assim se mantém a vida. Há medo extremo que o pulso pare. Fim da vida. O medo acelera o pulso. A vida é assim, tão vida, tão querida, tão ardente, tão ativa. É o pulso que bate. Que medo de perder a vida! Mas só que a vida tão valiosa é minúscula no tempo, quase instantânea, com pouca diferença entre o nove e o noventa. Passa num momento, num átimo, num mínimo sopro. Olham-se as montanhas de pedras há milhões e milhões de anos modeladas, pacientemente esculpidas pela brisa, vento suave, ventanias, águas das chuvas, calor do sol; isso depois de longas eras que passaram para se formar. Calma, infinita e eterna ação da natureza. Elas são admiradas pelo homem de existência ínfima. Esse ser que a todo custo quer, inocente e vaidoso, individualmente se eternizar. Ignora sinais e lições do tempo, da mãe natureza, que alertam, “você é um piscar de olhos”. Aliás, força de expressão, pois, nessa dimensão, a rigor não chega a ser nem isso. Então, quando um pobre alguém, eventualmente, se dá conta disso, engole aflito a sugestão do pensar de que tanto faz morrer agora, daqui a pouco, sei lá, aos nove ou aos noventa. Entende que a vida, seja o tempo que for, é apenas um instante. Tal como dizem que a felicidade é um momento, que não existe como elemento constante, a vida seria uma forma instantânea de felicidade. Diante da conclusão, dois focos. Deixar de viver a vida por ser tão rápida ou valorizar o momento da vida seja quanto tempo for. A felicidade, enfim, é a experiência do viver, com dor ou prazer. Insista, viva de fato, mesmo que em alguma situação tenha preguiça de viver. A vida é a felicidade do instante no instante do universo de ser. Teime, busque, preencha, pois a vida pode deixar de ser sem você precisar de morrer. Aliás, nessa elipse do círculo orbital, talvez a morte nem exista no modo que se lê.

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia