JM Online

Jornal da Manhã 46 anos

Uberaba, 22 de setembro de 2018 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

ARTICULISTAS

As exímias cozinheiras da minha vida

Aos domingos havia um grande encontro familiar, na hora do almoço

03/09/2018 - 21:28:26. - Por Mário Salvador Última atualização: 03/09/2018 - 21:28:35.

Aos domingos havia um grande encontro familiar, na hora do almoço. Nem era preciso convite, pois filhos, noras, sobrinhos e netos “se convidavam” para o lauto almoço.

E, longe de se sentir cansada, minha mãe adorava os encontros semanais com a família. Havia só um problema, que precisava ser solucionado a cada semana: o que fazer de bom para tanta gente.

Em verdade, ela se preocupava sem razão, pois qualquer refeição representava comida de primeira, sempre saborosa. Minha mãe poderia repetir infinitamente os pratos, que eles seriam saboreados com prazer por todos. Os comensais sempre apreciavam a boa comida e minha mãe ficava satisfeita por todos gostarem do que ela preparava.

Passaram-se os anos e percebi que, igualmente, nos almoços que reuniam toda a minha família, aos domingos, havia uma agradável repetição dos pratos, agora preparados por minha esposa, exímia cozinheira, quituteira e doceira. E o problema que minha mãe tentara solucionar a cada semana se repetiu, desta vez com minha esposa: o que preparar em cada refeição.

E, de novo, essa era uma preocupação sem razão de ser, pois todos os pratos eram devorados com satisfação. Filho e filhas, genros, nora e netos amavam aquela deliciosa comida, que fazia a reunião dominical ser muito agradável.

Um ponto em comum nessas duas fases da minha vida (com a minha mãe e com a minha esposa) é que o lavador de pratos após o lauto almoço era o mesmo: eu. E qualquer esforço meu era recompensado tanto pelo almoço perfeito quanto pelas companhias agradáveis no evento.

Vamos considerar que todos os membros da família eram convidados especiais, que enchiam de alegria esse convívio. Então nem seria razoável eu lhes pedir ajuda para arrumar a cozinha. É fato que, de vez em quando, eu recebia alguma mãozinha para lavar a louça, mas sempre sem compromisso das partes convidadas. 

Atualmente, aos domingos, meu almoço acontece na casa das filhas, que herdaram os dotes de cozinheiras da avó e da mãe, bem como a eterna preocupação: “O que fazer neste domingo?” E, uma vantagem para mim, hoje sou dispensado de lavar a louça.

Notícias Relacionadas

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia