Publicidade Rdio JM
Canais Facebook Twitter RSS RSS
Play Store App Store Estúdio Ao vivo
EDIÇÕES ANTERIORES:
 | 
BUSCA:     

 
ARTICULISTAS
Tamanho do texto: A A A A
Miralda Dias Dourado de Lavor - 12/08/2017

Voltando a falar sobre o abandono afetivo

Compartilhar:

Tempos atrás, neste mesmo espaço, foram apresentados alguns aspectos relativos ao abandono afetivo paterno e materno, restando esclarecido que a jurisprudência moderna compreende que, embora não seja possível impor-se aos pais o amor aos filhos, existe um dever jurídico de cuidado que decorre da liberdade das pessoas em gerá-los ou adotá-los. Além do sustento, tal dever abrange, ainda, a criação, educação e companhia da prole.

Muitos pais e mães simplesmente não cumprem esse dever jurídico de cuidar de seus filhos, abandonando-os afetivamente. Vários são os motivos que levam os genitores a adotarem tal postura: novo relacionamento conjugal; falta de tempo e espaço para o filho do relacionamento anterior; não aceitação deste pelo novo companheiro ou companheira; ser a criança em situação de abandono afetivo fruto de uma traição; impedimento e/ou imposição de obstáculos, por um dos pais, ao convívio do menor com o outro genitor; excesso de trabalho; mudança de cidade; dificuldades financeiras; uso de álcool ou outras drogas; comodismo, entre outros.

A hipótese de uso de álcool e outras substâncias entorpecentes, lamentavelmente, tem sido justificativa recorrente, conforme levantamentos iniciais efetuados junto a algumas escolas municipais, merecendo atuação eficiente e contínua do Poder Público na condução de políticas de enfrentamento ao uso de substâncias entorpecentes, em que pese a complexidade da matéria.

As demais hipóteses, entretanto, constituem pretextos que tentam “justificar o injustificável” e revelam fraqueza e irresponsabilidade de homens e mulheres que não querem exercer a paternidade e maternidade, com consequências desastrosas para a formação dos filhos e reflexos negativos na própria sociedade.

Esses pais e mães, que abandonam afetivamente seus filhos, sem prejuízo das consequências jurídicas advindas da prática de um ilícito civil, precisam ser preventivamente chamados à responsabilidade e conscientizados dos riscos sociais do abandono afetivo, como, por exemplo, o aumento da criminalidade e dependência química e, ainda, repetição do histórico de abandono.

Convém que sejam, também, estimulados a refletir sobre o futuro. Todos querem envelhecer e ter amparo na velhice. Entretanto, as Promotorias de Justiça de Defesa do Idoso já estão enfrentando a triste realidade do abandono afetivo inverso. Cresce o número de idosos abandonados por filhos que justificam a ausência de interesse em cuidar de seus pais exatamente pelo fato de não terem recebido, durante toda sua vida, qualquer cuidado por parte daqueles, muito menos afeto.

É preciso transformar essa realidade. Fica, então, o convite para homens e mulheres que estejam praticando abandono afetivo: “Adote seu próprio filho!”. O amor pode ser construído.  

(*) Promotora de Justiça e membro da Diretoria do IBDFAM/Núcleo de Uberaba
ibdfamnucleouberaba@gmail.com




EDIÇÃO DE HOJE
Edição de Hoje

ENQUETE
Os vereadores aprovaram em segundo turno, por 13 votos a um, o aumento do nmero de cadeiras para a prxima legislao, em 2021. Voc concorda com a proposta?




JM FORUM
Empresas do transporte coletivo solicitam aumento de cerca de 10% no valor da passagem, que pode chegar a R$ 4,17 em 2018. Na sua opinio, o que poderia justificar este aumento?
Comentar


AS EMPRESAS DO GRUPO JM DE COMUNICAÇÃO
JM Magazine JM Online JM JM Extra JM Rádio Vitória
Todos os direitos reservados ao Jornal da Manhã © 2017