Publicidade Rdio JM
Canais Facebook Twitter RSS RSS
Play Store App Store Estúdio Ao vivo
EDIÇÕES ANTERIORES:
 | 
BUSCA:     

 
ARTICULISTAS
Tamanho do texto: A A A A
Maria Aparecida Alves de Brito - 20/03/2017

Feito co e gato

Compartilhar:

Os problemas envolvendo os animais abandonados e os moradores da cidade vêm ocorrendo há vários anos e já se tornaram caso de saúde pública. Pensei que o caso ocorresse apenas nos domínios do bairro Olinda, mas vejo que a incidência do aumento dos animais ocorre também em outros bairros.

Convivemos diariamente com dejetos, lixos revirados nas vias públicas e em nossos quintais e jardins e, quando encontram portas e janelas abertas pulam para dentro das casas subindo em cima de móveis, como mesas e pias, contaminando tudo, principalmente alimentos. Não somos contra os cuidados dispensados aos animais em situação de abandono, mas é preciso mais do que alimentá-los e colocar água fresca para os bichanos.

É necessário vermifugá-los, vaciná-los e, principalmente castrá-los, senão o problema não se resolverá e, sim, se agravará. Os proprietários dos animais, sabedores dos locais onde os mesmos são alimentados, abandonam nestes espaços os filhotes e os moradores que são alérgicos, asmáticos, doentes e idosos são obrigados a conviver com a sujeira e o mau cheiro causados por esses animais.

É necessário mais do que boa vontade e sentimento de pena para com os mesmos. É preciso que se crie mecanismos para preservação dos direitos das pessoas envolvidas e para que os animais não venham a sofrer maus-tratos em situação de risco nas ruas.

Nos fatos narrados nos jornais e TV percebi que não foram levadas em conta, em momento algum, as dificuldades das pessoas que se tornaram instrumento de convivência forçada com os bichos. É preciso vontade e necessidade de se criar meios para solucionar o problema, favorecendo a todos os envolvidos, inclusive os animais.

Na realidade, esse processo de cuidar sem ter que assumir responsabilidades com o que vem depois, nada mais é do que prolongar uma situação incômoda. O embate que vem ocorrendo entre “cuidadores” e moradores que se vêm privados do exercício de liberdade no campo da convivência obrigatória, através das circunstâncias que a eles são impostas, tem que ser solucionado.

Entre erros e acertos, sempre que um fato inusitado se nos apresenta, sem o diálogo e sem que sejam tomadas providências envolvendo inclusive o poder público, com a castração comunitária mais barata para esses animais, jamais chegaremos a um consenso.

Compreendo que todos somos aprendizes, sujeitos às intempéries, mas, se houver compreensão e atitudes corretas (não conte com facilidades), dos dois lados, e uma dose muito grande de paciência, de força de vontade no reconhecimento dos acertos e desacertos de ambas as partes e, ainda agirmos de forma a favorecer os lados envolvidos e empreendermos um esforço coletivo em direção do bem viver demonstrando que, usar o bom senso é o melhor e mais eficaz dos remédios.

Nossa gatinha se chama Tunica, é cinza, linda, pois tem os olhos cor de mel, é castrada, brava, rabugenta, mas muito amada e não incomoda ninguém.

Maria Aparecida Alves de Brito
Pedagoga, Especialista em Educação Especial e arte educadora




Boulevard
EDIÇÃO DE HOJE
Edição de Hoje

ENQUETE
Prxima ao fim, a campanha de vacinao contra a Influenza teve baixa adeso no s no estado, como tambm em Uberaba. Na sua opinio, a que se deve a pouca procura?






JM FORUM
Recentes delaes da JBS colocam polticos uberabenses na mira da propina. Qual a sua avaliao sobre os supostos recebimentos ilegais por parte dos delatados?
Comentar


AS EMPRESAS DO GRUPO JM DE COMUNICAÇÃO
JM Magazine JM Online JM JM Extra JM Rádio Vitória
Todos os direitos reservados ao Jornal da Manhã © 2017