JM Online

Jornal da Manhã 46 anos

Uberaba, 23 de março de 2019 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

CIDADE

Equipe da PMU realiza manutenção da represa do Parque das Acácias

Piscinão conta com mecanismo para evitando enchentes, mas problema nas comportas estava impedindo a operação

11/12/2018 - 00:00:00. Última atualização: 11/12/2018 - 08:31:54.

Jairo Chagas


Represa do Parque das Acácias cheia, quando o pedreiro morreu afogado, mas hoje está sendo drenada para o serviço de manutenção 

Equipe multiprofissional da Prefeitura de Uberaba, composta por servidores da Secretaria de Meio Ambiente (Semam), Secretaria de Serviços Urbanos (Sesurb), Defesa Civil e Fundação Municipal de Esporte e Lazer (Funel), realizou ontem trabalhos de manutenção nas comportas da represa do Parque das Acácias, o piscinão, e que continuam hoje. Para a efetivação do serviço, boa parte do reservatório R1 será drenada devido às comportas serem submersas. 

Paulo César Franco, biólogo da Semam, explica que essas comportas são importantes para reter o volume de água que chega ao centro da cidade em épocas de chuva, para que o sistema de drenagem consiga absorver a água da avenida Leopoldino de Oliveira, entre outras, por exemplo. “Sempre que há previsão de chuva forte, essas comportas são fechadas, no entanto, quando fomos realizar o fechamento no domingo (9), identificamos um problema, que será resolvido o mais rápido possível, antes da próxima chuva”, ressalta o biólogo.

Após a drenagem do reservatório, a Sesurb efetuará a manutenção das comportas. Ainda segundo o biólogo, será mantida uma lâmina mínima de água do reservatório para garantir a sobrevivência dos peixes durante os trabalhos. 

Afogamento. No dia 13 de novembro deste ano, o pedreiro Esley Junio Ferreira, de 36 anos, morreu afogado nas águas do piscinão (Parque das Acácias). O seu corpo foi encontrado um dia depois por equipe do Pelotão de Emergências Ambientais e Resposta a Desastres (Pemad), do 8º Batalhão de Bombeiros Militar (BBM), com ajuda de cães da corporação. Segundo uma testemunha que estava com Esley, ele resolveu entrar na água para retirar a linha que presa, possivelmente em um galho, mas os dois colegas lhe pediram para não entrar na água, pois seria perigoso, o que não foi atendido.

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia