JM Online

Jornal da Manhã 46 anos

Uberaba, 18 de dezembro de 2018 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

CIDADE

Pais reclamam de corte no Tempo Integral e diminuição do tempo nos Cemeis

Secretaria de Educação garante que escolas não deixarão de oferecer o Tempo Integral, mas revela diminuição em uma hora do tempo de permanência

06/12/2018 - 11:37:56. - Por Letícia Morais Última atualização: 06/12/2018 - 11:42:14.

Foto/Reprodução/Net


Mãe de aluno do Cemei Maria Eduarda Farnezi, no bairro Beija Flor II, questiona diminuição no tempo de permanência das crianças

A reportagem do JM Online tem recebido diversas reclamações de pais de alunos das escolas do município sobre um possível corte do Tempo Integral e a diminuição do tempo de permanência dos estudantes nos Centros Municipais de Educação Infantil (Cemeis).

Roberta Carolina Ribeiro é mãe de dois alunos, sendo um, de 7 anos, estudante da Escola José Geraldo Guimarães, no bairro Pacaembu, e o outro, de 2 anos, que fica no Cemei Maria Eduarda Farnezi, no bairro Beija Flor II. “Fiquei sabendo pela professora do meu filho que, a partir do ano que vem, não teria mais período integral. Fui na secretaria da escola e eles afirmaram que não terá mais, porque precisam de sala para acolher as crianças de 5 anos que estão saindo do Cemei”, explica.

A outra situação relatada pela mãe é que, em 2019, os pais terão que buscar os filhos das 15h30 até, no máximo, às 16h, nos Cemeis. Ou seja, uma diminuição, já que o horário permitido era até às 16h30. “A maioria dos pais que deixam uma criança em período integral é porque precisam trabalhar e não tem como deixar em outro lugar”, analisa Roberta.

Remodelação no município

Procurada pela reportagem, a Secretaria Municipal de Educação garantiu que as escolas municipais não deixarão de oferecer o Tempo Integral. “O que ocorre é uma remodelação de tempo e espaço para atender uma demanda crescente da educação infantil. Temos demanda obrigatória do MEC para atender crianças de 4 e 5 anos, e estamos otimizando o espaço físico escolar para suprir essa demanda”, explica em nota.

No ensino fundamental, das 30 escolas, a pasta afirma que 20 continuarão atendendo normalmente. Exemplo dado à reportagem é que, se houver duas mil crianças matriculadas em tempo integral e 1.500 na espera por uma vaga, com o atendimento em tempo parcial, será possível acolher mais crianças.

No ato da matrícula, os pais terão a opção de escolher se querem deixar os filhos em tempo parcial ou integral – isso nas escolas onde o Tempo Integral é oferecido – e considerando a possibilidade de vagas.

No que tange à diminuição do tempo integral em uma hora, a Secretaria de Educação argumenta que ficou constatado que as crianças ficam cansadas e improdutivas ao final da tarde, principalmente as menores. Outro ponto considerado para a mudança visa assegurar logística adequada aos alunos que dependem de transporte escolar, favorecendo que cheguem um pouco mais cedo em casa. “Em alguns casos, constatou-se que em bairros mais distantes as crianças estavam chegando ao anoitecer, o que não consideramos saudável para a infância”, avalia.

Opções aos pais

De acordo com a Secretaria de Educação, os pais precisam entender que a escola é um espaço de convivência educacional da criança, mas a responsabilidade pelas atividades fora do contexto escolar é da família. “O horário parcial possibilita que mais famílias tenham seus filhos matriculados em uma das unidades da rede municipal”, destaca.

Mesmo assim, a rede municipal garante que oferecerá vagas, de acordo com o Protocolo de Vagas, Cadastramento e Zoneamento, assegurando a educação a alunos de 4 anos a 14 anos (9º ano). Entretanto, para atender a todos e não deixar de fora os alunos de 0 a 3 anos, reforça a necessidade de readequação e modificações como essas. 

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia