JM Online

Jornal da Manhã 46 anos

Uberaba, 20 de junho de 2019 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

GERAL

Economista avalia que proposta de reforma da Previdência não é a ideal

A equipe econômica do presidente Jair Bolsonaro tem estudado mudanças na aposentadoria

10/01/2019 - 00:00:00. - Por Marconi Lima Última atualização: 10/01/2019 - 08:42:36.

Reprodução


Presidente defende idade mínima de 57 anos para mulheres e de 62 para homens, de forma gradativa

A equipe econômica do presidente Jair Bolsonaro tem estudado mudanças na aposentadoria e promete divulgar em breve nova proposta para a reforma da Previdência. Bolsonaro, inclusive, defende uma regra de transição de 10 a 12 anos. O período é bem mais curto do que os 21 anos previstos na versão de reforma do ex-presidente Michel Temer (MDB).

A expectativa no governo é que o texto final seja enviado ao Congresso na primeira quinzena de fevereiro. Essa será uma das primeiras proposições a serem avaliadas pelo Legislativo federal.

Para a economista Núbia Alves Carvalho Ferreira, a reforma é necessária. Mas avalia que a proposta que se trata no momento não é a melhor. “Não sei se o projeto [de reforma da Previdência Social] vai andar ou não. Ela é necessária, mas não da forma como estão pensando, com a mudança na idade da aposentadoria. É preciso equacionar um problema anterior. Quem deve está pagando? Existe também um déficit, porque não entra o volume de recursos como deveria”, ressaltou Núbia.

Por atingir a idade mínima para homens e mulheres em um período mais reduzido, a reforma em estudo é mais dura e representaria uma maior economia de gastos do que a reforma de Temer.

Na semana passada, o presidente defendeu, em entrevista ao SBT, idade mínima de 57 anos para mulheres e de 62 anos para homens, que seria estabelecida de forma gradativa. Ao longo do período de transição, segundo o texto em elaboração pela equipe técnica, essa faixa etária subiria gradualmente até alcançar os 65 anos para os homens.

“A população brasileira está envelhecendo, mas não se faz uma reforma da Previdência com garantia para quem está entrando na Seguridade Social”, destacou Núbia.

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia