JM Online

Jornal da Manhã 46 anos

Uberaba, 17 de junho de 2019 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

GERAL

Dia Mundial da Trombose objetiva conscientizar sobre fatores de risco

Entre os fatores de risco estão idade, sedentarismo, insuficiência cardíaca, obesidade, tumores, varizes e imobilização

Última atualização: 08/10/2017 - 23:36:48.

No dia 13 de outubro é celebrado o Dia Mundial da Trombose, que visa a conscientizar a população sobre os fatores de risco e a gravidade da doença. A trombose caracteriza-se pela formação de trombos ou coágulos sanguíneos e pode resultar em obstrução dos vasos responsáveis pela passagem do sangue, causando sérias complicações, como AVC e embolia pulmonar ou morte. A trombose é responsável por uma a cada quatro mortes no mundo. No Brasil, a estimativa do Ministério da Saúde é de que dois habitantes a cada mil sofram de trombose venosa profunda e embolia pulmonar. No 1º semestre de 2016, a trombose atingiu 65 mil brasileiros.

Há uma série de fatores que podem desencadear a doença, entre eles a idade avançada, o sedentarismo, a insuficiência cardíaca, a obesidade, tumores malignos, a presença de varizes e imobilização. As viagens longas também oferecem risco, pois aumentam em até três vezes as chances de a pessoa desenvolver tromboembolismo venoso. Isso ocorre porque, durante viagens longas, o passageiro permanece muito tempo na mesma posição, levando então à alteração do fluxo sanguíneo.

Segundo a hematologista Suely Rezende, professora do departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), trombose venosa relacionada a viagem é também conhecida como “síndrome da classe econômica”. Estudo publicado em 2008 calculou que o risco de embolia pulmonar grave logo após um voo aumenta com a duração da viagem e varia de zero, em voos com duração inferior a três horas, a até 4,8 eventos por milhão, em voos com duração acima de 12 horas.

Ela explica que o risco de embolia pulmonar fatal imediatamente após o desembarque é menor que 0,6 por milhão de passageiros em voos com duração superior a três horas, porém aumenta exponencialmente quando falamos em trombose assintomática após voos de longa duração, chegando a 12%. “Infelizmente, no Brasil, as pessoas desconhecem esses riscos, pois a informação não é disseminada pelas companhias aéreas. Isso é algo preocupante, visto que, segundo o Ministério do Turismo, em 2016 desembarcaram no Brasil 10.094.438 passageiros de voos internacionais”, alerta a médica.

 

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia